Londrina promete entrar no STJD para evitar rebaixamento na Série B

Time paranaense quer usar o W.O do Figueirense para evitar queda

por Agência Futebol Interior

Londrina, PR, 01 (AFI) - O Londrina não parece disposto a aceitar o resultado no campo e quer levar seu rebaixamento na Série B do Campeonato Brasileiro para ser decidido no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O time paranaense vai entrar com um processo no tribunal contra o Figueirense, que sofreu um W.O no torneio.

Após a última rodada da Série B, o presidente do Londrina, Claudio Canuto, garantiu que o o clube vai entrar com um processo no STJD para evitar a queda. O time paranaense esperava o desfecho da última rodada. Com a vitória sobre o Guarani, por 2 a 0, o Londrina ficou a dois pontos do Figueirense. Desta forma, os times trocariam de posição em caso de punição.

"A gente tinha a previsão, esperava o resultado de todos os jogos. O Londrina vai buscar tudo o que for possível e o que for legal. O Londrina vai até as últimas possibilidades. Nós estamos otimistas, o advogado incentivou entrar e buscar nossos direitos. Vamos aguardar. O trabalho agora é fora de campo", garantiu Canuto.

O Figueirense deu W.O na partida contra o Cuiabá, pela 17ª rodada da Série B. os jogadores decidiram não entrar em campo por conta dos salários atrasados. Desta forma, o Londrina se baseia no no artigo 203 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). Ele diz sobre um clube "deixar de disputar, sem justa causa, partida, prova ou o equivalente na respectiva modalidade, ou dar causa à sua não realização ou à sua suspensão".

O segundo parágrafo do artigo diz que o clube que não entrar em campo deve ser punido "se da infração resultar benefício ou prejuízo desportivo a terceiro, o órgão judicante poderá aplicar a pena de exclusão da competição em disputa".

A pena prevista para quem infringir o artigo é de multa, que varia entre de R$ 100 a R$ 100 mil, e perda dos pontos em disputa a favor do adversário. O Figueirense foi julgado pelo caso na sequência da Série B e acabou tendo que pagar R$ 3 mil.