Árbitro explica expulsão de atleta do Juventude: “Vai tomar...”; Elias rebate: “Covardia”

Na última sexta-feira, o time gaúcho acabou derrota pelo Coritiba, com gol aos 52 minutos

por Agência Futebol Interior

Curitiba, PR, 06 (AFI) – A noite foi de polêmicas no Campeonato Brasileiro da Série B. O Juventude saiu de campo, na derrota por 2 a 1 diante do Coritiba, completamente irritado com a arbitragem de Leo Simão Holanda. Os atletas da equipe gaúcha reclamaram muito da expulsão de Leandro Lima e de um pênalti marcado aos 50 minutos da etapa final após uma bola na mão de Felipe Marttioni, e convertida pelo goleiro Wilson.

“Não sou de entrar no mérito de arbitragem, mas é uma covardia o que fizeram com a gente. Seja fora ou dentro de casa. Quem assistiu o jogo, viu que não foi pênalti. Foi uma tremenda covardia. Batalhamos, lutamos, mas o resultado não veio”, afirmou Elias, autor do único gol do Juventude na partida.

Em súmula, o árbitro citou a pressão feita pela equipe do Juventude após o apito final: “Após o termino da partida, atletas e comissão técnica da equipe do Esporte Clube Juventude adentraram ao campo de jogo, vindo em direção a equipe de arbitragem, protestando contra a marcação de um penal aos 50 minutos do segundo tempo, porém não houve ofensas e o Sr Luiz Carlos Coelho Winck retirou sua comissão e atletas”, pontuou.

Wilson marcou de pênalti aos 52 minutos do segundo tempo
Wilson marcou de pênalti aos 52 minutos do segundo tempo
O árbitro explicou também o motivo da expulsão de Leandro Lima: “Por reclamar ostensivamente contra a arbitragem após uma suposta infração contra sua equipe, proferindo as seguintes palavras “vai tomar no cu” de forma ofensiva contra a este árbitro.”

A derrota deixou o Juventude em situação delicada na Série B. O time gaúcho tem 32 pontos, contra 31 do CRB, primeiro dentro da zona de rebaixamento, que ainda entra em campo neste sábado, diante da Ponte Preta.

 
 
" />