Vadão passou por rivais da mesma cidade e com respeito dos dois lados

Treinador comandou clubes rivais em Campinas, São Paulo e Salvador

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 25 (AFI) - O futebol perdeu, nesta segunda-feira, Oswaldo Alvarez, vítima de câncer no fígado. Vadão deixa seu nome marcado no esporte e em muitos clubes. Ele, aliás, conseguiu proezas que poucos alcançaram. Vadão comandou clubes da mesma cidade e sempre foi muito bem respeitado pelos dois lados.

A cidade de Campinas, interior paulista, é a que mais bem acolheu o profissional nascido em Monte Azul Paulista. Vadão foi vice-campeão brasileiro da Série B em 2009 e vice do Paulista pelo Guarani em 2012. Ele teve cinco passagens pelo Brinco de Ouro, num total de 204 jogos.

Vadão comandou o Guarani em 1995, 1997/1998, 2009/2010, 2012 e 2017. É tratado com idolatria também pela arquirrival Ponte Preta, clube no qual dirigiu em quatro oportunidades (2001/2002, 2005, 2006 e 2014).

Sempre identificado com o clube. (Foto: Divulgação)
Sempre identificado com o clube. (Foto: Divulgação)

CAPITAIS!
Na capital do estado, Vadão comandou Corinthians e São Paulo. Pelo Timão, sua passagem foi em 2000. Já no São Paulo, Oswaldo Alvarez trabalhou em 2001, com direito a título do Torneio Rio-São Paulo.

Aquela foi a penúltima edição do Torneio Rio-SP. O São Paulo eliminou o Fluminense na semifinal e foi campeão em cima do Botafogo com direito a duas vitórias - 4 a 1 no Rio de Janeiro e 2 a 1 no Morumbi.

Vadão ainda esteve em Salvador e, lá, dirigiu os dois grandes Bahia e Vitória. O Esquadrão foi o primeiro a receber atenção do treinador em 2004. O Vitória, por sua vez, foi comandado pelo treinador nas temporadas de 2007 e 2008. No Leão, Vadão obteve o acesso à Série A em 2007.

LUTO!
Vadão faleceu, nesta segunda-feira, decorrente de complicações relacionadas a um câncer no fígado, o qual acabou evoluindo para outros órgãos. O corpo dele irá para Monte Azul Paulista, interior paulista, nesta tarde.

Oswaldo Alvares, 63 anos, deixa sua esposa Ana Alvarez e dois filhos, Adriano e Carolina Alvares, que fazia a parte de assessoria de imprensa do pai. O velório e sepultamento - restrito aos familiares por conta da pandemia do novo coronavírus - acontecerão em Monte Azul Paulista, sua terra natal.