Guarani reelege presidente em eleição com acusação de sócios "fake"

A chapa oposicionista, que tinha Leonardo Nucci como candidato principal, contesta o resultado

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 15 (AFI) - O atual presidente do Guarani, Ricardo Miguel Moisés, foi reeleito nesse domingo em polêmica votação que começou no período da manhã no ginásio de esportes do clube. A chapa oposicionista, que tinha Leonardo Nucci como candidato principal, contesta o resultado alegando que a chapa situacionista colocou mais de 200 associados somente para participar das eleições.

No resultado final, a chapa da situação "+ Futebol" teve 245 votos, contra 146 votos da oposição com a chapa "Hoje e Sempre Guarani" e três votos entre os nulos e brancos. Os 99 votos de diferença é tido como votos de associados "fantasmas".

Ricardo Miguel Moisés acabou reeleito em eleição que vai terminar na Justiça
Ricardo Miguel Moisés acabou reeleito em eleição que vai terminar na Justiça

CRISE SEM FIM NO BUGRÃO

Desde 2017, com a eleição de Palmeron Mendes Filho para presidência do Guarani, o clube passou a ter sérios problemas políticos, já que Palmeron Mendes traiu o grupo pelo qual foi eleito, gerando revolta interna e rompimento com as principais lideranças. Sem ambiente, Palmeron Mendes acabou renunciando ao cargo em setembro de 2019, mas continuou trabalhando ativamente nos bastidores.

PROJETO DO GRUPO ELEITO É TERCEIRIZAR O GUARANI PARA MAGNUM E ASA
A plataforma da atual gestão é entregar o controle administrativo do clube para a empresa Magnum, que já tem a compra do estádio Brinco de Ouro feita judicialmente, e o Grupo ASA, que tem entre seus funcionários o presidente reeleito Ricardo Moisés. Muitos dos associados tipo por "fake" pela oposição, também trabalham na ASA.
Torcida Fúria Independente questiona grupo político Renova nas eleições
Torcida Fúria Independente questiona grupo político Renova nas eleições

GUARANI VIVE CRISE POLÍTICA HÁ TRÊS ANOS
Sem o apoio de quem o elegeu para governar, Palmeron Mendes acabou se aliando a antigos adversários, como o Grupo Renova, que pregava uma moralização e renovação dentro do Guarani e no final acabou sendo o principal alicerce para sua manutenção da situação no poder.

Sócio
Sócio "fake" vai votar de preto nas eleições do Guarani

Esse grupo também passou a apoiar personagens questionáveis como Anailson Neves, que havia sido afastado por desviar dinheiro do clube e Felipe Ramos Roselli, que renunciou ao cargo de vice-presidente em anos anteriores após abandonar jogadores no vestiários sem salários.

Anailson Neves e Felipe Roselli foram eleitos nas chapa "+ Futebol" de Ricardo Mendes, revoltando a principal torcida organizada do Guarani, Fúria Independente, que nesse domingo levou faixas contra o grupo político Renova e contra Roselli e Anailson.

Oficialmente o novo conselho de administração do Guarani, eleito na noite desse domingo, assume no dia dois de abril, data de aniversário de 109 anos do clube.

RESULTADO DAS ELEIÇÕES VAI SER QUESTIONADO NA JUSTIÇA
Ao longo da semana a chapa oposicionista denominada "Hoje e Sempre Guarani" já havia ingressado com ações judiciais e promete questionar as ilegalidades no Poder Judiciário, até porque o resultado apontou 99 votos de diferença, sendo que mais de 200 votos foram colocados de fora irregular no quadro associativo do clube.
Segundo a oposição, além de Ricardo Moisés e Marcos Lena, ambos da chapa da situação, não terem condições legais de serem candidatos, o resultado somente foi favorável à atual diretoria em razão da colocação de sócios falsos.

Em recente pesquisa feita pela torcida do Guarani na internet, a oposição tinha 67% do apoio dos torcedores contra apenas 33% dos atuais dirigentes.

Torcida Fúria Independente questiona grupo político Renova nas eleições
Torcida Fúria Independente questiona grupo político Renova nas eleições