Série B: Oposição do Guarani sonha em repatriar goleiro do acesso em 2018; veja como

Conselho de Administração pode ser destituído em assembleia no próximo dia 02 de dezembro

por Lucas Rossafa

Campinas, SP, 21 (AFI) - Bruno Brígido é a bola da vez no Guarani. Pelo menos na oposição. O grupo intitulado 'Hoje e Sempre Guarani', responsável pelo pedido de impeachment do atual Conselho de Administração, sonha em repatriar o goleiro, atualmente no Feirense (POR), clube com o qual tem vínculo próximo do fim.

Uma das armas é Nenê Zini, empresário com ótimo trâmite fora da atual situação. O agente viajou a Portugal na última quarta-feira para compromissos profissionais e, em entrevista ao Portal Futebol Interior, antecipou ter reunião agendada com o arqueiro, um dos ícones da campanha de acesso e título na Série A2 do Campeonato Paulista de 2018.

"Sou amigo do Brígido e vamos conversar sobre possível retorno ao Brinco de Ouro para 2020. Independente de qualquer coisa sempre estou à disposição de ajudar. Na verdade, eu sempre ajudei. Se houver possibilidade, assim o farei", contou.

PAREDÃO

Oposição bugrina sonha em repatriar Brígido em 2020 - Letícia Martins / Guarani FC
Oposição bugrina sonha em repatriar Brígido em 2020

Bruno Brígido é sinônimo de saudade no lado verde de Campinas. O camisa 1 foi contratado no início do ano passado, mediante empréstimo junto ao Coritiba, e foi incontestável ao longo do primeiro semestre - 29 jogos e 32 gols sofridos em 2.610 minutos -, até acertar transferência ao exterior.

Seguro, o jogador de 28 anos fez a torcida se esquecer dos últimos nomes da posição, os quais foram motivo de crítica e insatisfação.

A partir da sua saída, entretanto, o Guarani não conseguiu encontrar uma unanimidade para o setor. Em pouco mais um ano passaram pela posição: Georgemy, Oliveira, Agenor, Lucas Passarelli, Giovanni, Kléver e Jefferson Paulino.

POLÍTICA

A oposição, liderada pelo ex-presidente Horley Senna, pensa em 'retomar' o poder no Alviverde no próximo dia 02 de dezembro, data de assembleia, a qual pode destituir todo Conselho de Administração, responsável por gerir o clube, em virtude de supostas irregularidades.

O órgão, hoje composto com cinco membros, mesmo em caso de uma perda, passará por votação, a ser convocada pelo Conselho Deliberativo no prazo de 30 dias - os associados eleitos, se necessário, completam o mandato 'tampão' até o fim de março de 2020.