Série B: Meia do Guarani confirma sondagens de fora para 2020; futuro é incerto

Arthur Rezende tem sido um dos principais jogadores do Bugre sob comando de Thiago Carpini

por Lucas Rossafa

Campinas, SP, 25 (AFI) - O bom desempenho no segundo turno da Série B do Campeonato Brasileiro faz Arthur Rezende estar em alta no mercado.

Em entrevista ao Portal Futebol Interior, o meio-campista do Guarani confirmou ter recebido sondagens de fora para 2020.

"Sim, eu recebi algumas sondagens, mas o meu agente está à frente de tudo isso. Por enquanto, não estou sabendo como as coisas estão caminhando", contou o camisa 8, emprestado pelo Boavista até 31 de novembro, sem citar os clubes interessados em seu futebol para o próximo ano.

Pessoas próximas ao jogador, cuja ideia é definir futuro só em dezembro, asseguram que ele não segue no Bugre na temporada seguinte.

Segundo informações recebidas, não confirmadas por assessoria de imprensa e jogador, há mais de três propostas na mesa - todas de clubes do Brasil, inclusive do estado de São Paulo.

O atleta de 25 anos, com quatro gols em 30 partidas, foi contratado pelo clube campineiro após o término do Campeonato Paulista, sob indicação de Marcus Vinícius Beck Lima, ex-executivo de futebol, desligado em agosto.

Arthur Rezende pode não ficar no Guarani em 2020 - Letícia Martins / Guarani FC
Arthur Rezende pode não ficar no Guarani em 2020

Na época, o cartola 'enfrentou' os pedidos do antigo Departamento de Futebol e do ex-presidente Palmeron Mendes Filho. A justificativa das pessoas contrárias à contratação foi que 'Arthur Rezende não era um conhecido'.

Internamente, Ricardo Miguel Moisés, presidente do Conselho de Administração, já inicia, ao lado do técnico Thiago Carpini, a definir a montagem do elenco de olho no Estadual, selecionando quais nomes podem ficar - Arthur, até pelo bom desempenho, é um dos nomes na mira por renovação.

VEJA OUTROS TRECHOS DA ENTREVISTA:

FUGA DO REBAIXAMENTO:

"O nosso grupo nunca abaixou a cabeça, nem desistiu de lutar contra a zona de rebaixamento, mesmo diante das situações difíceis passadas. O elenco sempre muito unido e fechado. Sabíamos que uma hora as coisas iriam começar a acontecer. Muitos méritos da reação é do Thiago Carpini. Ele conseguiu passar o que queria e conquistar a confiança de todo o grupo"

ONDE JOGAR?

"Eu deixei claro para todos os treinadores, desde a minha chegada ao Guarani, que poderia jogar de meia. Porém, a minha preferência era jogar como segundo volante. Quando o Carpini assumiu, tivemos uma conversa bem positiva. A nossa linha de pensamento era a mesma: eu poderia render melhor e ajudar mais a equipe jogando nesta posição ou até como terceiro homem de meio campo"

CARTÕES AMARELOS:

"De forma alguma isso me preocupa. Se tiver de fazer uma falta, matar um contra ataque para ajudar o time e não estourar lá atrás, eu vou fazer. Se você analisar os números de cartões de Gabigol e Bruno Henrique, por exemplo, um dos maiores jogadores do Brasil na atualidade, vai ver que não tem nada de anormal. A marcação tem de começar lá na frente"