Fluminense agradece torcida após recorde no Maracanã; Ex-presidente é agredido

O público total no empate com o Corinthians pela Sul-Americana foi de 57.703 pessoas

por Agência Estado

Rio de Janeiro, RJ, 30 - Depois de o Fluminense ser eliminado pelo Corinthians em um jogo no qual o Maracanã contou com um público total de 57.703 pessoas, na noite de quinta-feira, pelas quartas de final da Copa Sul-Americana, o clube carioca divulgou uma nota oficial na tarde desta sexta para agradecer aos seus torcedores pela presença em massa no duelo que terminou empatado por 1 a 1.

Este foi o maior público do clube em uma partida como mandante no Maracanã desde que o estádio foi reinaugurado, em 2013, após ser reformado para a Copa do Mundo de 2014. O recorde anterior havia sido registrado em um Fla-Flu ocorrido no Campeonato Carioca de 2015, quando 55.999 torcedores estiveram no principal palco do futebol brasileiro.

A renda de R$ 2.339.750,00 garantida com a bilheteria deste confronto da última quinta-feira também pode ser considerada a maior alcançada pelo Fluminense neste período iniciado há seis anos, pois o montante contabilizado com os ingressos vendidos no clássico com o Flamengo, de R$ 2.511.160,00, foi dividido com o rival.

Mais de 55 mil pessoas compareceram ao Maracanã na noite da última quinta-feira
Mais de 55 mil pessoas compareceram ao Maracanã na noite da última quinta-feira

E este público registrado na última quinta-feira é bem mais significativo para o clube do que o do Fla-Flu de 2015, pois, naquela ocasião, mesmo com o Fluminense como mandante, a torcida rubro-negra compareceu em maior número ao Maracanã.

O QUE DIZIA A NOTA
"A torcida tricolor é parte fundamental do resgate do Fluminense. A parte mais importante. Nenhum resultado realmente consistente será obtido sem ela. A sustentabilidade financeira para reerguer o gigante Fluminense virá com arquibancadas cheias e muitos sócios que estejam ao lado do clube em todos os momentos. Tudo passa pela arquibancada. Tudo reside na atitude coletiva dos tricolores, de suas cores e sua tradição", ressaltou o clube das Laranjeiras no início da nota oficial divulgada nesta sexta-feira.

"Ontem, jogamos um confronto de gigantes do futebol brasileiro e, apesar de não termos passado de fase, mostramos ao Brasil que nossa grandeza segue intacta apesar das enormes dificuldades que nos foram impostas ao longo dos últimos anos. Seguimos com a confiança de reerguer o clube a médio prazo e essa confiança vem muito mais da realidade que se viu ontem no anel do Maracanã. Fomos quase 60 mil tricolores apoiando os nossos jogadores no desafio de superar um dos mais difíceis adversários do futebol brasileiro. Fomos gigantes como sempre", reforçou o comunicado aos torcedores.

Por fim, a nota projetou a volta dos bons tempos ao Fluminense, que na segunda-feira enfrentará o Avaí, às 20 horas, justamente no Maracanã, pelo fechamento da 17ª rodada do Campeonato Brasileiro.

"O olhar de nossos atletas para as arquibancadas mostrou que ontem eles tiveram a certeza da força da nossa torcida. É exatamente isso que não podemos perder. Temos que continuar fazendo nosso papel. Levando ao estádio nossa força e nossa imensa importância histórica no futebol brasileiro. Somente assim nós, torcedores, seremos parte real da retomada de um tempo de glórias. Muito obrigado a todos os tricolores pela presença e pela linda festa", encerrou o clube.

ABAD É AGREDIDO
Após o término do jogo de quinta-feira, Pedro Abad, o ex-presidente do Fluminense, foi alvo da fúria de alguns torcedores do clube enquanto deixava o Maracanã.

Vestindo uma camisa do time, ele foi atingido pelas costas por um soco dado por um torcedor, mas não reagiu e continuou andando em direção à saída do setor interno do estádio em que ficou para acompanhar a partida.

Para completar, o ex-mandatário tricolor ouviu vários xingamentos enquanto deixava o local, escoltado por seguranças privados do Maracanã, que não conseguiram impedir que ele fosse vítima da agressão que sofreu.

SAÍDA CONTURBADA
Abad também saiu da presidência do Fluminense de forma conturbada, em 10 de junho deste ano, quando Mário Bittencourt assumiu o seu cargo em meio a uma forte crise política no clube.

Em uma eleição antecipada a pedido do próprio Abad, ocorrida no dia 8 do mesmo mês, o atual mandatário do clube venceu Ricardo Tenório, outro candidato do pleito, para cumprir um mandato de três anos e meio, que vai até o final de 2022.