Flamengo projeta receita de R$ 50 milhões por ano com novo patrocinador

Conselho Deliberativo aprova contrato de três anos com o Banco de Brasília, o BRB

por Agência Estado

Rio de Janeiro, RJ, 01 - Após o Conselho Deliberativo aprovar contrato de três anos com o Banco de Brasília, o BRB, o Flamengo apresentou nesta quarta-feira o novo patrocinador.

O presidente Rodolfo Landim e o vice de comunicação e marketing Paulo Henrique Costa explicaram que o acordo prevê que o time receberá ao menos R$ 32 milhões anuais. Mas acreditam que ações vão elevar esse valor para R$ 50 milhões.

"Diria algo realista, não otimista, de R$ 50 milhões por ano", afirmou Landim.

"O mínimo que o Flamengo vai receber é de R$ 96 milhões, e não vai ter devolução", acrescentou o vice-presidente de comunicação e marketing.

Na temporada passada, o clube teve receita de R$ 1 bilhão, ano em que ganhou o Brasileirão e a Libertadores. A possibilidade de o valor total superar os R$ 32 milhões se dá porque serão desenvolvidos produtos financeiros com o BRB, dos quais o Flamengo receberá parte deste faturamento.

E não será preciso devolver valores se as metas não forem atingidas. No momento em que o Flamengo anunciou o BRB como seu patrocinador master, havia a expectativa de que o clube do Rio fosse fechar contrato com a Amazon, empresa americana de distribuição de produtos.

Banco de Brasília, o BRB, é o novo patrocinador do Flamengo
Banco de Brasília, o BRB, é o novo patrocinador do Flamengo
Questionado sobre isso, Landim defendeu que o acordo é mais vantajoso, por não envolver apenas valores de patrocínio.

"O que a gente está buscando e concluindo com esse contrato é uma parceria comercial. E o que nos foi oferecido e discutido com a Amazon era um contrato de patrocínio. O que a gente fez foi evoluir de um patrocínio para um contrato de parceria, podendo envolver toda a massa de torcedores", afirmou.

O presidente do Flamengo, porém, evitou tornar a BRB único parceiro.

"Isso não impede que tenhamos contatos com a Amazon para desenvolver produtos no futuro. Mas como proposta de negócio, a proposta do BRB foi muito melhor."