Cuéllar se reapresenta após Copa América e faz 1º treino com Jorge Jesus no Fla

Volante ganhou alguns dias de folga após eliminação e retornou aos trabalhos nesta quarta-feira

por Agência Estado

Rio de Janeiro, RJ, 03 - O Flamengo teve uma "cara nova" no treinamento desta quarta-feira no CT Ninho do Urubu, na zona oeste do Rio de Janeiro. Um mês após se apresentar à seleção da Colômbia para a disputa da Copa América, o volante Cuéllar voltou ao clube rubro-negro após ganhar alguns dias de folga e fez a sua primeira atividade sob o comando do técnico português Jorge Jesus, que está trabalhando com os jogadores há duas semanas.

Após a eliminação nas quartas de final da Copa América para o Chile, em São Paulo, na última sexta-feira, Cuéllar viajou para seu país, em um acordo com a diretoria e com Jorge Jesus, para passar mais dias com seus familiares. Nesta quarta foi um dos primeiros a chegar ao CT, cerca de meia hora antes do horário previsto para o elenco.

Cuellar retornou ao Fla. (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)
Cuellar retornou ao Fla. (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)
Em sua volta ao Rio de Janeiro, Cuéllar deverá ser procurado pelo vice de futebol, Marcos Braz, que quer saber do jogador quais são os seus planos no clube. Antes de se apresentar à seleção colombiana, o volante chegou a afirmar que tem vontade de jogar em algum clube da Europa.

Antes do treinamento desta quarta-feira, o zagueiro Léo Duarte concedeu entrevista coletiva e comentou sobre os métodos de treinamento de Jorge Jesus, que tem tentando implementar uma série de novas ideias. O defensor revelou que 70% do que o técnico já passou ao grupo é novidade para ele.

"O professor é muito detalhista. Isso é muito bom. É novidade para a maioria de nós. 70% das ideias novas que ele apresentou, eu não conhecia. É positivo", afirmou Léo Duarte, de 22 anos, que é cria das categorias de base do Flamengo.

"Os movimentos defensivos são sempre coletivos, não individuais. Ainda tenho muito a aprender, estou feliz por ter ideias novas, vamos procurar absorver tudo. Como zagueiro, sempre achei que sair ao combate, ficar no mano a mano, era a função, mas não é só isso. É preciso saber o que você deve fazer quando o outro zagueiro sai, o que a linha toda deve fazer", completou o zagueiro.