ATUAÇÕES: Éverton Ribeiro e Diego vão mal e Réver salva o Flamengo em Avellaneda

O time brasileiro sai na frente, mas sofreu a virada por 2 a 1 para o Independiente e terá de reverter o resultado no Maracanã

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 06 (AFI) – A partida de ida da final da Sul-Americana não foi como o Flamengo esperava. Apesar de sair na frente em gol de Réver, o time brasileiro sofreu a virada do Independiente por 2 a 1 em Avellaneda e terá de reverter o resultado no jogo de volta, no Marcanã, para buscar o título.

Na partida desta quarta-feira, Réver foi o grande destaque do Flamengo, ao lado de Everton, que entrou bem no segundo tempo e comandou a equipe brasileira na tentativa de buscar o empate que quase surtiu efeito.

Por outro lado, alguns jogadores dos quais se espera mais, como Diego e Éverton Ribeiro, não estavam em uma noite inspirada, o que impediu que o Flamengo voltasse para casa com um resultado melhor.

Confira as atuações e notas dos jogadores do Flamengo:

César: 6,0
Chegou a fazer uma boa defesa no início e não teve culpa nos gols do Independiente. Apesar de não ter feito uma grande partida, passa mais segurança á defesa flamenguista do que Alex Muralha, que vinha atuando anteriormente.

Pará: 5,0
Limitado, Pará é sempre um caminho para os adversários do Flamengo criarem lances de perigo e em Avellaneda não foi diferente. Sofreu na marcação e foi praticamente nulo no ataque.

Réver: 7,5
O zagueiro era dúvida parta a partida, mas sua participação valeu o esforço. Réver marcou o primeiro gol do jogo em sua especialidade, em bola alta na área, e levou a melhor também na defesa na maioria das disputas contra os atacantes do Independiente.

Juan: 6,5
Fez mais uma partida segura na defesa e quase marcou um gol ainda no primeiro tempo. Forma dupla de zaga bastante sólida com Réver.

Trauco: 6,5
Sofreu na marcação do lado direito do ataque do time argentino, especialmente através das descidas de Bustos e Sánchez Miño, mas foi o autor do cruzamento do gol de Réver, que abriu o placar.

A dupla de zaga formada por Juan e Réver foi, novamente, um dos pontos fortes do Flamengo, enquanto o meio de campo não funcionou
A dupla de zaga formada por Juan e Réver foi, novamente, um dos pontos fortes do Flamengo, enquanto o meio de campo não funcionou

Willian Arão: 5,5
Como de costume, alternou bons passes e erros bobos na saída de bola. Não teve espaço para se infiltrar na área e surpreender a defesa argentina.

Cuéllar: 6,0
Limitou-se a marcar. Foi bem na contenção das jogadas, mas não ajudou muito no ataque. Quando tinha a posse de bola tocava de lado ou tentava forçar jogadas pelo meio.

Diego: 5,5
Tentou chamar a responsabilidade no meio de campo e até começou bem, mas caiu de rendimento assim como todo o time do Flamengo depois da metade do primeiro tempo.

Éverton Ribeiro: 5,0
Bem abaixo do que se espera dele, especialmente para um jogo decisivo. Parecia estar disputando uma partida sem importância, enquanto os outros homens em campo estavam mais ligados por se tratar de uma final.

Lucas Paquetá: 5,5
Ajudou Trauco na marcação pelo lado esquerdo e participou mais do jogo defensivamente do que no ataque. Deixou o jogo no início do segundo tempo, logo após o segundo gol argentino, para a entrada de Everton.

Felipe Vizeu: 5,5
Isolado no comando de ataque, foi pouco acionado por seus companheiros. Nas poucas jogadas que participou, faltou um pouco mais de capricho pra tabelar ou finalizar.

Everton: 7,0
Entrou bem no segundo tempo e deixou o ataque flamenguista mais incisivo. Aberto pelo lado esquerdo, criou as principais jogadas de ataque do time brasileiro na reta final da partida.

Vinicius Junior: 6,0
Entrou para dar mais velocidade ao ataque. Abusou das jogadas individuais para cima da marcação adversária correndo muito, mas produzindo pouco.