Por unanimidade, Pleno do STJD mantém multa ao Figueirense por W.O. na Série B

O time catarinense não entrou em campo diante do Cuiabá alegando salários atrasados

por Agência Futebol Interior

Florianópolis, SC, 07 (AFI) - O Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol julgou na tarde desta quinta o recurso da Procuradoria pedindo a majoração da pena aplicada ao Figueirense pelo W.O. na Série B na partida contra o Cuiabá.

Punido em primeira instância com multa de R$ 3 mil e a perda de três pontos a favor do adversário, o clube teve a decisão mantida por unanimidade dos votos.

O CASO!
Com salários atrasados e sem um acordo com a diretoria do Figueirense os atletas se negaram a entrar em campo contra o Cuiabá, na Arena Pantanal, no dia 20 de agosto. Até o último minuto um advogado representante dos atletas tentou firmar um acordo com a diretoria.

A Procuradoria denunciou o Figueirense por infração ao artigo 203 do CBJD por "deixar de disputar, sem justa causa, partida, prova ou o equivalente na respectiva modalidade, prova, ou equivalente na respectiva modalidade, ou dar causa à sua não realização ou à sua suspensão”.

Julgado em 4 de outubro pela Quinta Comissão Disciplinar, os Auditores aplicaram multa de R$ 3 mil e a perda de três pontos válidos na partida em favor do adversário. Após a decisão a Procuradoria recorreu pedindo a majoração da multa.

STJD define punição ao Figueirense - Daniela Pinho
STJD define punição ao Figueirense

JUSTIFICATIVA
Em julgamento do recurso no Pleno, o Subprocurador-geral Gustavo Silveira justificou o pedido de majoração da pena.

“Uma irresponsabilidade como o Figueirense tratou essa questão. O clube deu causa a não realização da partida, ficou com a renda de R$ 30 mil do espetáculo e está sendo beneficiado com uma pena de valor irrisório a renda da partida. A Procuradoria se manifesta no sentido de majorar a pena da Comissão Disciplinar”.

Defensor do Figueirense, o advogado Rodrigo Marruba afirmou que a partida foi realizada em Cuiabá e a renda era do mandante e não do Figueirense.

Relator do processo, o Auditor José Perdiz votou para negar provimento ao recurso da Procuradoria para manter a pena aplicada pela Comissão Disciplinar. Sem divergência o voto do relator foi proclamado por unanimidade de votos.