Série B: Hemerson Maria não vê o Figueirense 'preparado' para brigar pelo acesso

No próximo sábado, às 16h30, o Figueirense enfrenta o Sport na Ilha do Retiro, em Recife

por Agência Futebol Interior

Florianópolis, SC, 09 (AFI) – Hemerson Maria ligou o seu ‘modo sincero’ na entrevista coletiva desta quinta-feira. Após dois empates na Série B do Campeonato Brasileiro, o treinador disse que não estava que o ‘bicho’ fosse ‘tão feio’ e cravou que o Figueirense não está preparado para brigar pelo acesso. Por outro lado, o comandante acredita que no decorrer da competição o clube ainda pode montar um elenco forte, mas tudo depende do aporte financeiro.

“Está sendo bastante difícil, eu não imaginava que o bicho era tão feio. Do mais humilde funcionário ao presidente estão arregaçando as mangas e trabalhando. Com toda humildade e quem está falando, modéstia à parte, é um treinador que sempre que disputou a Série B, fez para chegar. Hoje, temos um grupo que não está preparado para conseguir o acesso. No decorrer da competição podemos, sim, formar um grupo forte, com comprometimento, luta, entrega, disciplina tática, surpreender e conseguir o objetivo. Mas hoje não é a realidade”.

Hemerson Maria não vê o Figueirense 'preparado' pra brigar pelo acesso na Série B
Hemerson Maria não vê o Figueirense 'preparado' pra brigar pelo acesso na Série B
Hemerson traçou um paralelo com a última temporada: “No ano passado o Figueirense se deu ao luxo de ter Elton, André Luis e Henan, três centroavantes. Hoje não conseguiríamos ter nenhum, pela condição financeira, pelo teto que o clube está pagando. Sendo transparente, o Figueirense não concorre com as principais forças da Série B. Ano passado, o Figueirense pagava 200 mil reais em laterais. Esse dinheiro é quase metade da nossa folha atual”.

No próximo sábado, às 16h30, o Figueirense enfrenta o Sport na Ilha do Retiro, em Recife (PE).

“Estamos indo atrás de jogadores de 6 mil reais, de 10 mil, de 12 . E fazer com que vire realidade aqui. Estamos ensinando algumas coisas para jogadores. O Matheus Destro nunca jogou uma Série C de Brasileiro, fomos lá e pegamos da Votuporanguense. Vai sentir, mas deu mostra de que pode render. Sente um pouco da pressão da torcida, que fica acuado, tem jogador que tem personalidade e vai em frente. Vai ser um ano difícil, temos que ter um comprometimento de todos para que o Figueirense seja recolocado na primeira divisão”