Uefa revoga limite de 30% da capacidade em estádios e deixa decisão aos governos

Decisão poderá ter impacto na Eurocopa que será disputada em junho. Torcedores estrangeiros não serão permitidos nos estádios

por Agência Estado

Em reunião virtual de seu Comitê Executivo nesta quarta-feira, a Uefa tomou algumas decisões com relação ao futebol na Europa e, na mais importante delas, revogou o limite de 30% da capacidade nos estádios em jogos organizados pela entidade, atribuindo aos governos locais e nacionais toda a responsabilidade sobre a permissão ou a proibição de torcedores nas arquibancadas, o que impacta a Eurocopa deste ano, que será disputada em 12 cidades de 12 países diferentes.

"O Comitê Executivo da Uefa reviu a sua decisão de 1 de outubro de 2020, segundo a qual permitia a presença de espectadores em jogos da Uefa de até 30% da capacidade. A comissão decidiu que, atendendo ao fato de cada uma das 55 associações-membro enfrentarem uma situação diferente no que diz respeito ao combate à pandemia, esse limite já não é necessário. Assim, a decisão sobre o número de espectadores permitidos deve ser da exclusiva responsabilidade das autoridades locais/nacionais competentes", informou a entidade em um comunicado oficial.

SOMENTE TORCIDA LOCAL

Por outro lado, o Comitê Executivo reforçou a proibição de entrada de torcedores estrangeiros em partidas de clubes até o final de maio, como uma forma de se respeitar as restrições de viagem e minimizar os riscos de contaminação por covid-19.

A Uefa decidiu também que a regra das cinco substituições valerá na Eurocopa. A medida também será aplicada nas semifinais e final da Liga das Nações. "Dado que os motivos para o uso da regra de cinco substituições ainda persistem, no contexto dos calendários futebolísticos nacionais e internacionais afetados pela pandemia de covid-19, e que a regra já está em vigor para os jogos de classificação para a Copa do Mundo, se decidiu ampliar a emenda para a Eurocopa e a fase final da Liga das Nações", declarou.

MAIS JOGADORES

Em entrevista à emissora de TV italiana RAI, o técnico da Itália, Roberto Mancini, disse que "seria uma boa ideia" aumentar de 23 para 25 ou 26 o limite de convocados de cada seleção para a Eurocopa. A razão é a possibilidade de casos positivos do novo coronavírus em cada delegação.