No clima do Natal, relembre os grandes presentes dos clubes do Espanhol

Desde o ‘fico’ do gênio argentino Lionel Messi, passando pelo retorno de David Silva à Espanha

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 24 (AFI) - Para entrar no clima do natal, junto das diversas ativações feitas pela LaLiga ao redor do mundo - mais de 50 em 31 países, tanto físicos como online, que farão vibrar os fãs da LaLiga na África e na América (com oito ativações), na Ásia (com nove), na Europa (com 14) e o MENA, regiões do Médio Oriente e Norte da África (com 11) -, para celebrar essa atípica rodada na semana natalina, decidimos relembrar os cinco maiores presentes que os clubes da LaLiga Santander deram aos próprios torcedores.

FC Barcelona: Lionel Messi
Talvez o maior presente para todo apaixonado por futebol espanhol tenha sido a permanência de Lionel Messi no FC Barcelona - para os torcedores culés, com toda certeza foi. Afinal, o argentino - que praticamente nasceu no clube, chegando ainda nas categorias de base de La Masía em 2000 (com apenas 13 anos de idade) -, não poderia se despedir após o fim de temporada trágico dos Blaugrana em 2019/2020.

Isso, sem falar nos inúmeros recordes do camisa 10, que foram ampliados neste início de temporada: como o de maior artilheiro por um mesmo clube, ultrapassando ninguém menos que o Rei Pelé - com 644 gols oficiais, um a mais que o ex-camisa 10 do Santos.

Messi ainda pode ultrapassar Xavi como o jogador que mais vezes vestiu a camisa blaugrana na história - o meia espanhol fez 767 jogos com a camisa blaugrana, enquanto o argentino já tem 749 -, e Daniel Alves como jogador que mais levantou troféus na história do futebol - o atual atleta do São Paulo possui 40 títulos, enquanto Messi está com 34.

Fato é que, motivado, Messi tem liderado a recente arrancada do Barça na LaLiga Santander, que está há quatro partidas sem perder. Agora, com 24 pontos em 14 partidas, o clube catalão ocupa a quinta colocação e voltou a sonhar com a disputa pelo título nacional - que seria o 11º do argentino pela equipe.

Messi com a camisa do Barcelona
Messi com a camisa do Barcelona
Atlético de Madrid: Luis Suárez
Por falar no clube catalão, foi dele que veio um dos grandes presentes para os torcedores do Atlético de Madrid nesta temporada: Luis Suárez. Uruguaio que chegou à LaLiga ainda em 2014 para defender o FC Barcelona, após incríveis temporadas na Inglaterra, pelo Liverpool. Na Catalunha, o atacante teve seis temporadas espetaculares, sendo multicampeão (incluindo quatro taças da LaLiga, gols e uma das grandes parcerias da história do futebol mundial, ao lado do já citado Lionel Messi.
E para provar que ainda está em forma, os sete gols marcados na atual temporada - em apenas dez partidas pela competição nacional -, o fizeram chegar à marca de 151 na história da LaLiga, se tornando o segundo mais rápido a atingir a marca no século XXI, atrás apenas de Cristiano Ronaldo.
Não à toa, sob a liderança e os gols do artilheiro uruguaio, o Atlético de Madrid ocupa a ponta da tabela da LaLiga - com 32 pontos em 13 partidas, sofrendo apenas uma derrota (para o Real, no grande Derby de Madrid, fora de casa).
Sevilla FC: Ivan Rakitić
Ainda falando do FC Barcelona, outro jogador que acabou saindo de lá e se tornou um belo presente dos torcedores rivais foi o croata Ivan Rakitić. Depois de seis anos atuando pelo Barça, onde ganhou diversos títulos como aLigados Campeões de 2015 e as quatro taças da LaLiga Santander e da Copa do Rei em 2015, 2016, 2018 e 2019, o atual vice-campeão mundial com a seleção da Croácia pode enfim retornar ao clube que o projetou a nível europeu.
Formado nas bases do Basel, e com uma boa passagem pelo Schalke 04, Rakitić chegou ao Sevilla FC em 2011 e foi fundamental para a conquista daLigaEuropa de 2013/2014. Título esse que chamou a atenção justamente o FC Barcelona, que o contratou por cinco temporadas e o ajudou a ser um dos 23 indicados ao prêmio de melhor do mundo da FIFA em 2015 - além de eleito o melhor jogador croata daquele ano.
De volta ao Rojiblanco, ajudou a equipe a se recuperar na LaLiga, ocupando atualmente a sexta colocação com 23 pontos em 13 partidas.
Villarreal CF: Dani Parejo

Formado nas bases do Real Madrid, Dani Parejo sempre foi presença constante das categorias inferiores da seleção espanhola - entre 2007 e 2011, mais especificamente. Depois, até chegou a atuar pelo Queens Park Rangers, da Inglaterra, mas logo voltou à LaLiga, agora para vestir as cores do Getafe CF.

Até que, em 2011, chegou em Valência para fazer história. Em pouco mais de nove temporadas com os Che, Parejo foi fundamental para as boas campanhas da equipe, inclusive o título da Copa do Rei 2018/2019 sobre o FC Barcelona.

Até que, surpreendendo muita gente, foi anunciado pelo rival Villarreal CF para a atual temporada. Sendo, para muitos, um baita presente para os fãs do Submarino Amarelo - que atualmente está na quarta colocação da LaLiga Santander, brigando fortemente no topo da tabela. Enquanto, curiosamente, o Valencia CF ainda não engrenou e amarga a 15ª posição, com apenas um ponto a mais que o Real Valladolid, o primeiro clube dentro da zona de rebaixamento.

Real Sociedad: David Silva
Já a Real Sociedad, atual finalista da Copa do Rei e no mata-mata da Liga Europa, foi a grande responsável pelo retorno de um grande jogador espanhol - que passou nada menos que uma década atuando em altíssimo nível na Inglaterra: o também ex-jogador do Valencia CF, David Silva. Campeão mundial e europeu com a Espanha, o meia formado na base dos Che conquistou apenas um título de elite em seu país natal: o da Copa do Rei de 2007/2008.

Até por isso, retornou à LaLiga para sonhar grande com a La Real. Que depois de liderar a LaLiga Santander por várias rodadas, o clube de San Sebastián enfrenta uma fase não muito boa na competição, mas continua como uma das favoritas ao título. Afinal, são nada menos que 26 pontos em 16 partidas, com a Real Sociedad ocupando a terceira colocação no momento, seis pontos atrás do Atlético de Madrid.