Eliminatórias: Em país afundado na crise, Argentina visita Peru em má fase

O time de Messi segue invicto apesar de ter tropeçado na última rodada com empate por 1 a 1 com o Paraguai

por Agência Estado

Campinas, SP, 17 (AFI) - Após o seu primeiro tropeço nas Eliminatórias, a Argentina tentará se reabilitar contra um adversário em fase ruim e em um país afundado na crise política. Será nesse cenário que a equipe enfrentará o Peru, às 21h30 (horário de Brasília), nesta terça-feira, em Lima, pela quarta rodada do qualificatório sul-americano para a Copa do Mundo de 2022.

O presidente peruano, Manuel Merino, renunciou ao cargo no último domingo, após apenas seis dias no cargo, ampliando o cenário de turbulência no país - ele havia assumido com o impeachment de Martín Vizcarra, mas acabou saindo diante das manifestações populares, duramente reprimidas pela polícia. E na última segunda, o parlamentar Francisco Sagasti foi eleito pelo Congresso como o novo presidente, o terceiro a ocupar o cargo em uma semana.

O cenário provocou o cancelamento de treinos da Argentina, mas a Federação Peruana de Futebol assegurou a realização da partida. E a equipe da casa entrará em campo pressionada, pois somou apenas um ponto em três jogos e ocupa a antepenúltima colocação. Vindo de duas derrotas seguidas, alcançará a sua pior série em caso de novo revés com o técnico Ricardo Gareca nas Eliminatórias. Outro problema é que a seleção segue sem Guerrero, lesionado, com a sua vaga sendo disputada por Gianluca Lapadula e Raul Ruidiaz.

Para complicar ainda mais o cenário para a seleção peruana, a Argentina não perdeu nenhuma das últimas 15 partidas pelo qualificatório para os mandantes nesta terça, embora os últimos dois confrontos tenham terminado empatados. A seleção de Messi também vem de igualdade, com o Paraguai, em casa, resultado que a deixou com sete pontos e na segunda posição no qualificatório, atrás do Brasil.

A equipe perdeu Exequiel Palacios, que fraturou um osso nas costas durante o jogo de quinta. Para compensar, o lateral-esquerdo Nicolas Tagliafico está recuperado de lesão. A sua volta deve provocar outra troca na escalação, com o seu substituto, Nicolas Gonzalez, sendo mantido, mas agora no setor ofensivo, provavelmente na função de Lucas Ocampos.

"Aproveito para enviar um forte abraço ao povo peruano, porque ninguém quer isso. Esperamos que tudo possa voltar à normalidade, que possam ficar tranquilos e bem em suas casas", disse o técnico da seleção argentina, Lionel Scaloni, mostrando que o futebol estará em segundo plano em Lima nesta terça-feira.

OUTROS JOGOS
Também nesta terça, às 18 horas, no Casa Blanca, em Quito, o Equador desafia sua boa fase diante de um adversário que costuma lhe impor dificuldades. Vindo de duas vitórias, algo que não conseguia desde o começo das Eliminatórias para a Copa de 2018, a equipe, da casa, que está com seis pontos e na terceira posição, recebe a Colômbia, que perdeu para o Uruguai por 3 a 0, em casa, na sexta-feira.

Sétima colocada, com quatro pontos, a Colômbia, porém, não perde dois jogos seguidos no qualificatório desde 2009. E ganhou nas últimas três vezes do Equador, além de sete dos últimos oito duelos com o seu oponente.

Invicto no qualificatório, com cinco pontos e um início sem derrotas que não conseguia desde as Eliminatórias para a Copa de 2010, o Paraguai recebe a Bolívia, à 20h, no Defensores del Chaco. A quinta colocada aposta nos gols de Ángel Romero - já fez três - para entrar na zona de classificação ao Catar.

O adversário, para isso, não podia ser melhor. O Paraguai venceu nas nove vezes em que recebeu a Bolívia no qualificatório. Já o adversário, lanterna e sem pontuar, não tinha um início tão ruim desde o classificatório para o torneio de 1974.

Também sem pontuar, a Venezuela recebe o Chile, às 18h, no Estádio Olímpico de Caracas. A equipe da casa ainda não marcou gols, tendo pela frente o sexto colocado, com quatro pontos. Os chilenos somam 11 vitórias, 2 empates e só 1 derrota, com quatro triunfos seguidos, sobre os venezuelanos no qualificatório. Mas não ganham dois jogos seguidos - bateu a seleção peruana na sexta - desde o início das Eliminatórias para a Copa de 2018.