Camisa do goleiro ao quarto árbitro, duas expulsões e drone: a súmula do Dérbi 196

Árbitro Salim Fende Chavez relatou confusão generalizada após apito final no Brinco de Ouro da Princesa

por Lucas Rossafa

Campinas, SP, 17 (AFI) - A súmula de Guarani x Ponte Preta, válido pela 10ª rodada do Campeonato Paulista, foi recheada de acontecimentos.

O documento de Salim Fende Chavez, responsável por comandar o Dérbi 196, na última segunda-feira, informa expulsão de dois atletas, ambos da Ponte Preta, após o apito final: o zagueiro Alisson e o atacante Roger, curiosamente os autores dos gols da Macaca - exclusões se deram por confusão generalizada no gramado do Brinco de Ouro.

EXPULSO DIRETAMENTE
Roger foi expulso diretamente 'por correr de forma acintosa em direção de Jefferson da Silva Paulino, goleiro do Guarani, causando tumulto generalizado. Camisa 9 tomou um chapéu do adversário e, a partir daí, briga entre os atletas teve início.

Súmula do Dérbi 196 foi recheada de polêmicas - David Oliveira / Guarani FC
Súmula do Dérbi 196 foi recheada de polêmicas

A expulsão de Alisson se deu por soco no rosto de Romércio, zagueiro do Guarani, durante conflito - fato foi informado pelo quarto árbitro Ilbert Estevam da Silva.

O cartão vermelho, entretanto, não foi mostrado ao beque no campo de jogo por árbitro não tê-lo encontrado em meio ao tumulto.

LOUCURA

O documento oficial do clássico campineiro também registrou um episódio curioso: após fim do jogo, Jefferson Paulino foi ao vestiário dos apitadores para entregar sua camisa a Ilbert Estevam da Silva, quarto árbitro. Imediatamente, assessora solicitou retirada do local.

Posteriormente, arbitragem procurou o delegado do clássico, Sr Márcio Reis Carvalho de Luna, para descobrir como o jogador bugrino teve acesso ao nosso vestiário, porém não foi encontrado. Segundo Salim, profissional estava envolvido nos conflitos extracampo.

Cinco minutos depois, arbitragem encontrou o grupo de fiscais e solicitou que a camisa fosse devolvida a Paulino.

Na sequência, Sérgio do Prado, gerente de futebol do Bugre, encaminhou-se aos vestiários para pedir desculpas pelo ato feito pelo arqueiro alviverde.

DRONE

Outro fato relatado na súmula do clássico campineiro foi que, aos 24 minutos do primeiro tempo, um drone sobrevoou o campo de jogo no Brinco, porém sem interferência. Conduta do árbitro, no momento, foi chamar os dois capitães para uma breve conversa e reiniciar o duelo.