Presidente do Criciúma culpa arbitragem por queda e insinua saída de treinador

Mandatário falou pela primeira vez após a queda do Tigre à Série C do Brasileiro

por Agência Futebol Interior

Criciúma, SC, 03 (AFI) - O presidente Jaime Dal Farra concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira e deu o primeiro pronunciamento após o rebaixamento da equipe na Série B do Campeonato Brasileiro. O mandatário colocou parte da culpa na arbitragem e insinuou mudança na comissão técnica, dando a entender que Roberto Cavalo não continuará no clube na próxima temporada. Ele ainda admitiu erro em tomadas de decisões na montagem do elenco.

"Tivemos um bom ano na gestão, mas em campo não aconteceu. Muitos sucesso em outras áreas, como uma empresa boa. Infelizmente a arbitragem foi terrível, com erros, três pênaltis contra o Brasil de Pelotas, por exemplo. Arbitragem foi um grande fator da nossa dificuldade em campo. Quando vieram árbitros que não determinaram o resultado, nós ganhamos", falou o presidente jogando parte da culpa na arbitragem.

COMISSÃO TÉCNICA

Jaime falou sobre rebaixamento do Criciúma - Lariane Cagnini / Agencia RBS
Jaime falou sobre rebaixamento do Criciúma

Jaime Dal Farra tratou de exaltar Roberto Cavalo, mas indicou a saída do comandante. Na visão do presidente, o planejamento será iniciado após a contratação de um diretor de futebol.

"Terminou o contrato do Cavalo. Vamos definir primeiro o executivo de futebol. Cavalo é um ídolo, apaixonado pelo time, um grande treinador. Estamos trabalhando forte. Primeiro é trazer um executivo qualificado. Depois um treinador que tenha a capacidade técnica e motivação de colocar o Criciúma na Série B de novo", revelou.

ERRO NA MONTAGEM DO ELENCO

Ele também admitiu o erro na montagem do elenco. "Não acontece por acaso. É um conjunto de erros. Tudo conspirou contra nós, arbitragem foi determinante nessa reta final. A montagem do elenco não foi adequada. Esse ano investimos o dobro. Trouxemos profissionais de ponta. Botei dinheiro meu, mas não tem problema, disse o mandatário, que completou.

"É uma gestão profissional. Procurando implantar um sistema de empresa. Futebol não tem clube nenhum que tem lucro, exceto os da Europa. Eu como investidor coloquei muito dinheiro. Nesses quatro anos que estou no clube foi colocado 40 milhões de reais. Entre vendas e arrecadações ganhamos 30 milhões, com déficit 10 milhões até agora. Com a venda do Roger Guedes zerei o déficit. Diferente de outros clubes da séries A e B", concluiu.

O Criciúma terminou a Série B na 19ª colocação, com 39 pontos, dois do Figueirense, primeiro time fora da zona de rebaixamento.