Corinthians volta a negar interesse em argentino, mas sonha com ex-Atlético-MG

Andrés Sanchez, presidente alvinegro, falou sobre negociações (ou não) com os atacantes Carlito Tévez e Jô

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 16 (AFI) - O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, voltou a conversar com a imprensa sobre o interesse (ou não) nos veteranos atacantes , brasileiro, e Carlito Tévez, argentino. Ambos são considerados ídolos da Fiel.

"Se ele (Jô) estiver livre, a gente conversa. Ele quer vir, nós queremos ele, mas tem que se livrar lá. Se ele se livrar, vem. A princípio, só essa (possibilidade de contratação)", disse o cartola alvinegro em entrevista à Rádio Bandeirantes.

"Não tem jogador de graça. (Carlito Tévez) Está sem contrato, mas pede metade em luvas. Depois dá déficit e vocês reclamam. Ganha 5 milhões de dólares por ano (quase R$ 30 milhões). Zero. Tem 36 anos, acho que nem quer continuar jogando. É um ídolo do Corinthians, mas hoje é muito difícil", encerrou o dirigente.

O 'HERMANO'
Cria xeneize, Carlos Alberto Tevez subiu aos profissionais do Boca Juniors em 2001 e permaneceu até 2005, colecionando títulos argentinos, de Mundial, Libertadores, Sul-Americana e Recopa e se tornando um dos grandes nomes do futebol continental.

Foto: Divulgação - Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Vestiu a camisa do Corinthians entre 2005 e 2006, marcando 46 gols em 78 partidas e conquistando o título brasileiro de 2005. Saiu de forma conturbada, rumando para o West Ham.

Depois, teve passagens de destaque, novamente com títulos, por Manchester United, Manchester City e Juventus. Voltou para o Boca em 2015, de onde saiu em 2017 para o chinês Shanghai Shenhua. Retornou aos xeneizes em 2018.

O 'BRAZUCA'
Revelado pelo Terrão, João Alves de Assis Silva subiu aos profissionais do Corinthians com pouco mais de 16 anos. Em duas passagens com a camisa alvinegra, a primeira até 2005 e a segunda em 2017, foi campeão brasileiro em 2005 e 2017 e paulista de 2003 e 2017.

Foto: Divulgação - Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Depois de deixar o Timão, rodou por CSKA Moscou, Manchester City, Everton e Galatasaray, vencendo a Copa da Inglaterra de 2010/11, a Liga Russa de 2006, a Copa da Rússia de 2005/06 e 2007/08 e a Supertaça da Rússia de 2006 e 2007.

Voltou ao Brasil entre 2011 e 2015, passando por Internacional e Atlético Mineiro e vencendo quatro Estaduais, a Copa do Brasil de 2014, a Libertadores de 2013 e a Recopa Sul-Americana de 2011 e 2014. Se arriscou em times periféricos em 2016, atuando por Jiangsu Suning e Al-Shabab. Está desde 2018 no Nagoya Grampus.