Em 2013, Corinthians freava sequência santista e chegava ao seu 27º título

Nesta temporada, o campeão contou com a estreia de Zizao entre os titulares e com a chegada de Alexandre Pato

por Federação Paulista (FPF)

São Paulo, SP, 19 (AFI) - Há sete anos, no dia 19 de maio, o Corinthians empatava com o Santos, na Vila Belmiro, por 1 a 1, no segundo jogo da final do Campeonato Paulista. O resultado levou o clube do Parque São Jorge ao seu 27º título estadual e pôs fim à sequência de conquistas santista, tricampeão na época.

O Corinthians vinha de um 2012 repleto de conquistas. Havia chegado à conquista inédita da Libertadores, após vencer o Boca Juniors, da Argentina, e na sequência venceu o Mundial de Clubes, derrotando o Chelsea-ING na final. Além disso, o atacante Alexandre Pato chegava para reforçar o forte elenco alvinegro.

O primeiro jogo da temporada foi contra o Paulista, em Jundiaí. A partida contou com a estreia do chinês Chen Zizao, entre os titulares. Na ocasião, o técnico Tite optou por poupar os jogadores que foram titulares na conquista do Mundial de Clubes. O jogo terminou empatado, por 1 a 1. Inclusive, o tento alvinegro saiu de bela jogada de Zizao pela esquerda, assistindo Romarinho, xodó corintiano.

Em 2013, Corinthians freava sequência santista e chegava ao seu 27º título (Foto: Leonardo Britos/ FPF)
Em 2013, Corinthians freava sequência santista e chegava ao seu 27º título (Foto: Leonardo Britos/ FPF)
Depois disso, a equipe de Itaquera perdeu para a Ponte Preta, por 1 a 0, no Pacaembu, e acumulou três vitórias seguidas, contra Mirassol, Mogi Mirim e Oeste. Sendo que, nesta última, havia a expectativa pela estreia de Alexandre Pato. Do banco de reservas, o camisa 7 assistiu seus novos companheiros aplicarem uma goleada de 4 a 0 na equipe de Barueri. Então, aos 25 minutos da etapa complementar, Tite o chamou e dois minutos depois, o estreante foi às as redes logo em sua primeira participação para delírio da arquibancada.

O Corinthians terminou a primeira fase do estadual na quinta colocação, com 35 pontos, somando nove vitórias, oito empates e apenas duas derrotas. Foram seis pontos atrás do rival São Paulo, líder da fase de pontos corridos.

MATA-MATA
O regulamento previa a classificação dos oito melhores classificados, sendo que o líder enfrentasse o oitavo, o segundo o sétimo, o terceiro pegaria o sexta e o quarto e quinto colocados duelariam uma das vagas.

Com a quinta melhor campanha, o time de Tite enfrentou a Ponte Preta pela frente, algoz da equipe corintiana do ano anterior. Embalado pelo título mundial, o Corinthians passou pelos campineiros com uma vitória por 4 a 0, fora de casa. Classificado, o adversário da semifinal seria o São Paulo.

No Morumbi, a partida acabou empatada sem gols no tempo regulamentar, tendo que ser decidida na marca da cal. A primeira cobrança foi tricolor e Rogério Ceni levou a melhor diante de Cássio. Na sequência, Douglas e Romarinho converteram para o Corinthians, e Rafael Tolói para o São Paulo. Paulo Henrique Ganso desperdiçou a terceira tentativa são-paulina.

Depois, Fábio Santos também marcou, assim como Jadson, nesta época no Tricolor. Alessandro chutou na trave e Cássio defendeu a cobrança de Luís Fabiano. A essa altura, se o time do Parque São Jorge marcasse, acabaria a partida. Alexandre Pato confirmou a vaga à final em sua segunda tentativa, já que Rogério Ceni havia defendido o primeiro chute do jogador porque se adiantou demasiadamente. O adversário na decisão seria o tricampeão Santos.

AS FINAIS
O time da Vila Belmiro tinha a possibilidade de chegar ao seu quarto título consecutivo, feito que só foi atingido pela equipe do Paulistano entre os anos de 1916 e 1919. Para isso, o técnico Muricy Ramalho contava com o craque do campeonato, Neymar, e seus companheiros como o Edu Dracena, Arouca, Cícero e André.

O primeiro confronto da decisão aconteceu no Pacaembu, com um público de pouco mais de 36 mil torcedores. Durante todo o primeiro tempo, os donos da casa obrigaram o goleiro Rafael a trabalhar. No entanto, na marca dos 41 minutos do primeiro tempo, Paulinho inaugurou o marcador, levando a vantagem para o time da capital.

Na volta do intervalo, houve um pouco mais de equilíbrio, com chances para ambos os lados. Porém, aos 29, após cobrança de escanteio, e bate e rebate na área, a bola sobrou para Paulo André mandar uma bomba e ampliar o marcador. Aos 36, Durval ainda descontou para o time da Baixada Santista, levando o placar de 2 a 1 para o segundo e derradeiro confronto.

O jogo da volta, na Vila Belmiro, o Santos contou com casa cheia. Cerca de 14.500 mil torcedores foram apoiar o clube, em busca da virada. Motivados, os donos da casa criaram boas oportunidades. Em cobrança de falta, Felipe Anderson mandou a bola na área, Durval escorou de cabeça e Cícero chutou forte de esquerda para vibração do torcedor santista.

Apesar do gol, a alegria durou pouco, já que dois minutos mais tarde, Paulinho faz bela jogada pelo meio, tocou para Guerreiro, que protegeu e tocou para Romarinho. O camisa 11 foi desarmado, mas a redonda sobra para Paulinho bater de esquerda. Rafael fez boa desefa, mas no rebote, Danilo anotou o gol de empate e o do título corintiano, o seu 27º na história do Campeonato Paulista.

FICHA TÉCNICA
Santos 1 x 1 Corinthians - Campeonato Paulista;
Data:
19 de maio de 2013;
Estádio: Vila Belmiro, Santos - SP
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima;
Cartões Amarelos: Fábio Santos, Edenilson, Cássio e Romarinho (Corinthians). Renê Júnior e Arouca (Santos)
Gols: Cícero (26 do 1º tempo) e Danilo (28 do 1º tempo).

SANTOS
Rafael;
Bruno Peres, Edu Dracena, Durval e Léo;
Renê Júnior (Patito Rodríguez), Arouca, Cícero e Felipe Anderson;
Neymar e André (Miralles).
Técnico: Muricy Ramalho

CORINTHIANS
Cássio;
Alessandro, Gil, Paulo André e Fábio Santos;
Ralf e Paulinho; Romarinho (Alexandre Pato), Danilo e Emerson (Edenílson);
Guerrero (Douglas).
Técnico: Tite

Mateus Bezerra, especial para a FPF