Corinthians é recebido com protestos e torcedores são autorizados a entrar no CT

Duas viaturas e quatro policiais faziam a segurança na porta do Centro de Treinamento quando o elenco chegou

por Agência Estado

São Paulo, SP, 31 - Após a derrota por 2 a 1 para o CSA, sofrida na noite de quarta-feira, em Maceió, pelo Campeonato Brasileiro, a delegação do Corinthians desembarcou na tarde desta quinta-feira e deixou o aeroporto de Guarulhos por saída alternativa a fim de evitar o encontro com torcedores. Escoltado por dez viaturas e motos, o elenco foi de ônibus para o CT Joaquim Grava, onde havia cerca de 30 torcedores protestando.

SEGURANÇA
O Corinthians foi derrotado pelo CSA por 2 a 1
O Corinthians foi derrotado pelo CSA por 2 a 1

Duas viaturas e quatro policiais faziam a segurança na porta do Centro de Treinamento quando o elenco chegou.

O ônibus passou rapidamente, enquanto a torcida pedia mais raça ao time que não vence há sete jogos no Campeonato Brasileiro.

Oito torcedores foram autorizados a entrar para conversar com os jogadores.

PROTESTOS

Os jogadores realizarão treino regenerativo e depois serão liberados. Os protestos dos torcedores começaram na madrugada de quinta-feira, quando um grupo tentou invadir o hotel em Maceió onde os atletas estavam hospedados.

Em São Paulo, picharam os muros do Parque São Jorge. A Gaviões da Fiel, principal organizada do Corinthians, se manifestou por meio de nota e cobrou os jogadores. Pediu mais raça e entrega dentro de campo.

CRISE

O Corinthians vive sua maior crise com o técnico Fábio Carille. O jejum de vitórias ameaça o clube ficar fora da Libertadores na próxima temporada. O desempenho ruim tirou o time da quarta colocação e mandou a equipe para o sétimo lugar na tabela, com 45 pontos, a dois de retornar ao G6.

ENTREVISTA DO PRESIDENTE

Após a derrota para o CSA, o presidente Andrés Sanchez deu entrevista coletiva no lugar de Carille.

Ele cobrou os jogadores e prometeu "mudanças drásticas" caso o Corinthians não reaja no Campeonato Brasileiro.

Porém, pelo menos por enquanto, garantiu a permanência do treinador.

"Se eu falar que ele (Carille) continua, vão falar que o que a gente fala não vale. Ele tem contrato até o fim do ano que vem. Hoje está ruim todo mundo, jogador que já quer sair de férias tem que falar. Treinador tem culpa, jogador também. Hoje não quisemos jogar, quem já quiser sair de férias pode sair, não tem problema nenhum", avisou o dirigente.