Corinthians anuncia Adriano e apresentação será junto com Luís Fabiano

O Imperador será apresentado no mesmo dia que Luís Fabiano, no São Paulo

por Agência Estado

São Paulo, SP, 25 (AFI) - O atacante Adriano é o mais novo reforço de peso do Corinthians para a temporada de 2011. O jogador, que teve o seu contrato rescindido pela Roma no início deste mês, desta forma volta a atuar no futebol brasileiro depois ter defendido o Flamengo na temporada de 2009 e no primeiro semestre de 2010.

O jogador assinou contrato no final da noite de segunda-feira e deverá ser apresentado na próxima terça, quando o clube pretende promover um evento grandioso para comemorar a chegada do atleta. As informações são do jornalista Wagner Vilaron, do jornal O Estado de S. Paulo. O Corinthians ainda não oficializou a contratação, o que deve ocorrer nas próximas horas.

Curiosamente, o primeiro contato de Adriano com os torcedores corintianos deverá ocorrer no mesmo dia em que o São Paulo irá apresentar o atacante Luís Fabiano, contratado junto ao Sevilla, em outro evento de grande porte agendado para acontecer no Morumbi.

Tendo em vista o histórico de polêmicas fora de campo, Adriano teria aceitado assinar um contrato de produtividade com o Corinthians, que promete reduzir os rendimentos do atleta em caso de atos de indisciplina.

Adriano chega ao Corinthians pelas mãos de Ronaldo, que conseguiu convencer o amigo a fechar com o clube do Parque São Jorge. E, assim como aconteceu com o Fenômeno, no final de 2008, o atacante chega ao time depois de ter sido rejeitado pelo Flamengo.

Reforço de peso para a temporada, Adriano, porém, não poderá defender a equipe no Campeonato Paulista, pois as inscrições já estão encerradas. Porém, ele terá tempo de sobra para entrar em forma para poder defender o Corinthians no Brasileirão, que começa em 21 de maio. Neste período, ele também irá finalizar a recuperação de uma cirurgia no ombro a que foi submetido enquanto ainda era atleta da Roma.

Adriano chega no Corinthians para reforçar um ataque que já conta com Liedson como grande nome no momento. Fora as duas estrelas, a equipe tem Dentinho e Jorge Henrique como outras duas principais opções para o setor. Além disso, o técnico Tite dispõe dos reservas William e Edno para o ataque.

Polêmicas
Agora jogador do Corinthians, Adriano teve um início de carreira meteórico. Ele chegou aos profissionais do Flamengo em 2000, e no mesmo ano foi convocado pela primeira vez para a seleção brasileira, ainda com 18 anos. O sucesso no clube carioca o levou rapidamente à Europa. Em 2001, ele já era da Inter de Milão.

Jovem, ele não conseguiu se destacar no time milanês e acabou emprestado para a Fiorentina. Em seguida, foi cedido ao Parma. Voltou à Inter em 2004, com status de artilheiro. Desta vez, se adaptou rápido, se manteve como titular e ajudou a levar o time italiano a um dos seus períodos mais gloriosos.

Após a morte do seu pai, em 2006, o atacante viu sua carreira começar a entrar em declínio. Deixou de ser relacionado para os jogos da Inter e confessou problemas com álcool. Prometendo devolver o jogador recuperado, o São Paulo conseguiu o empréstimo do atleta em 2008, em uma negociação que abriu as portas para o retorno dos craques europeus para o futebol nacional.

No Morumbi, foi o artilheiro do time na Libertadores, mas não jogou bem a partida decisiva contra o Fluminense, perdendo a bola no gol que gerou a eliminação do time paulista no Morumbi, e foi embora sem deixar muitas saudades.

Menos de um ano depois de voltar à Inter de Milão, em abril de 2009, saiu do time italiano sem explicações e retornou o Brasil. Passou um período de reclusão na Vila Cruzeiro, no Rio, seu bairro natal, e anunciou em entrevista coletiva a aposentadoria provisória do futebol, pois não sentia mais prazer em jogar.

A aposentadoria, porém, não durou muito, e no final de maio ele já estreava no Flamengo, seu time de coração. Com o status de estrela, marcou 19 gols no Brasileirão de 2009 e levou o time carioca ao título, se firmando ainda mais como ídolo rubro-negro. A lua de mel, porém, mais uma vez durou pouco. No começo do ano seguinte, perdeu um pênalti na decisão da Taça Rio, não impediu a eliminação na Libertadores, sentiu a pressão da torcida e se transferiu para a Roma.

Na capital italiana, já chegou sob desconfiança, mas com contrato de três anos. Marcou um gol no amistoso de estreia e não mais balançou as redes. De reserva, passou a não ser mais relacionado para os jogos. Tratando-se de uma lesão no ombro, voltou ao Brasil e não retornou à Itália na data prevista. Cansada de polêmicas, a Roma anunciou a rescisão contratual no começo de março.