Movimento em supermercados e padarias aumenta a cada partida do Brasil na Copa

Em função do horário do jogo, 11 horas, as vendas em padarias cresceram 20%

por Agência Estado

  • A cobertura da Copa do Mundo é um oferecimento

São Paulo, SP, 06 - Supermercados e padarias já se preparam para uma quantidade de clientes acima do normal nesta sexta-feira, dia de jogo do Brasil na Copa do Mundo. Pelo menos é o que vem acontecendo nos dias em que o time do técnico Tite entra em campo na Rússia. Com jogos matinais e no início da tarde, o torcedor brasileiro estabeleceu um padrão de comportamento que vem garantindo a esses setores do varejo um crescimento significativo no movimento em comparação a dias "normais".

Foi assim na última segunda-feira, quando o Brasil derrotou o México pelas oitavas de final e supermercados fecharam o dia com 8,5% a mais de movimento. Em função do horário do jogo, 11 horas, as vendas em padarias cresceram 20%. É o que aponta o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), calculado a partir de mais de 1 milhão de pontos de venda ativos e credenciados à operadora de cartões.

É FESTA!
Em São Paulo, a Associação Paulista de Supermercados (Apas) identificou que a venda de determinados itens chegou a aumentar 50% nos dias de jogo. Caso da cerveja, por exemplo. Nos jogos disputados à tarde, além da bebida, alimentos como carne para churrasco, salame, amendoim e pipoca chegam a vender 25% mais do que em um dia sem jogo. Os supermercados também registraram aumento na vende de pães, frios e laticínios dos dias de jogos pela manhã.

Jogos do Brasil geram festas em todos os lugares
Jogos do Brasil geram festas em todos os lugares
"A Copa tem sido um grande impulsionador para o aumento no consumo e, consequentemente, o crescimento das vendas", analisou o economista Thiago Berka, da Apas. "O curioso é que as vendas pós-jogo se mantêm abaixo da média de um dia comum, demonstrando que os consumidores tendem a estocar produtos para não precisarem mais sair de casa".

Os dias de jogos, porém, não favorecem todos os setores do varejo. Que o digam farmácias e lojas de roupas, por exemplo, que tiveram queda de 15,5% e 31,1%, respectivamente, nos dias de Brasil na Copa do Mundo. Algumas lojas desses setores chegaram a registrar faturamento zero no decorrer das partidas.

 
 
  • A cobertura da Copa do Mundo é um oferecimento
" />