Crônica de Luciano Luiz: Um gigante do tamanho da Copa da Rússia

Méritos para um time que apresentou um comportamento frio e extremamente técnico ao longo da competição.

por Luciano Luiz

  • A cobertura da Copa do Mundo é um oferecimento

LUCIANO LUIZ
Enviado Especial
FUTEBOL INTERIOR

Dentro de instantes conheceremos a história de Croácia e Inglaterra. Uma semifinal que nunca aconteceu em Copas do Mundo e promete fortes emoções.

O palco é o Estádio Luzhniki em Moscou, mesmo que receberá a grande final da competição.
Evidente que os ingleses além de favoritos são maioria também nas arquibancadas mas em uma parte decisiva o esperado é tão inesperado quanto o óbvio. Bom, estarmos aqui para dividir com vocês as emoções dentro e fora das quatro linhas.

É a Copa contada de dentro, de quem a vive e a sente.

O que ajudou croatas e ingleses a conterem a ansiedade foi a venda de cerveja. Como essas torcidas gostam de uma "ПИВО" ....aff.

Rola a bola, agora é com atletas, jogadores das duas equipes que somente entre os titulares notamos que atuam em onze países diferentes, inclusive também na Croácia e na Inglaterra.
GOL da Inglaterra, com menos de cinco minutos os súditos da rainha explodem após uma cobrança maravilhosa do meia Trippier.

Já passamos dos quinze minutos com uma Inglaterra que segue no ataque buscando o segundo gol.

TORCIDA EMPURRA CROÁCIA
Empurrada por sua torcida que também não para, a Croácia busca tomar ações na partida mas o time inglês até agora faz uma bela apresentação e não da espaços para sustos do adversário.

Na casa dos vinte minutos do primeiro tempo as duas torcidas se unem aos gritos de "Rússia, Rússia", é a força do torcedor local que vibra pelo futebol, pelo esporte e pelo prazer de receber o mundo em sua casa.

O jogo segue burocrático com muita marcação dos dois meios de campo mas a Inglaterra ainda aparece mais consistente em jogadas pelas laterais. Pouca emoção e muita tática em uma partida onde ninguém quer se expor.

Com quase trinta minutos do primeiro tempo o artilheiro inglês Harry Kane perde uma oportunidade daqueles que se acontece na várzea o cara perde o direito de voltar no caminhão da equipe. Na jogada seguinte quase a Croácia empata se não fosse a bela defesa do goleiro Pickford que evitou a consolidação da lei do "Quem não faz toma".

Segue 1 x 0, Inglaterra.

Aos trinta e cinco minutos Lingard perde mais um lance claro de gol. Juro que não estou secando mas a Inglaterra precisa matar logo o jogo. Afinal é bem superior em campo mas não consegue transformar a vantagem de produção em efetivo resultado e futebol é uma "caixinha de surpresas", gostei dessa, acho que vai pegar.

O toque de bola com pouca objetividade da Croácia começa a tirar os torcedores do sério. Ingleses vaiam o excesso de passes para o lado da equipe rival. Atrás do goleiro Pickford onde esta a maior concentração de ingleses a música não para. É só festa !

Fim de primeiro tempo. Não foi até agora um jogão de futebol mas a disciplina tática das duas equipes são bem responsáveis pela falta de oportunidades de lado a lado.

Enquanto os reservas dos dois times se aquecem no gramado do Luzhniki o torcedor aproveita para dar aquela boa recarregada nos bares do estádio, além é claro de acompanharem as performances do mascote Zabivaca no gramado, que evidentemente empolga bem menos que a música alta e as filas para buscarem suas não tão geladas cervejas.

Equipes voltam e agora não tem mais choro. Dois sonhos, realidades diferentes mas muito próximas pelo resultado do jogo e pela qualidade coletiva de seus atletas. Vamos para o segundo tempo.

Não sei qual torcida se abasteceu mais na parada mas até agora a que segue cantando mais alto é a da Inglaterra, feliz com o resultado que vai a levando para sua segunda final na história, exatos cinquenta e dois anos depois de sua participação em um jogo decisivo de Copa.

Enquanto isso franceses e belgas assistem seus adversários para a grande final e disputa de terceiro lugar respectivamente.

Chegamos aos dez minutos da segunda etapa e o jogo tem sido muito mais empolgante pelas torcidas que não param de cantar do que por oportunidades de gol. Temos uma Croácia com pressa mas nervosa e com falhas no penúltimo passe para o gol e do outro lado uma Inglaterra que começa cedo demais a querer administrar o placar.

Com vinte minutos do segundo tempo e após mais lances de catimba por te do time inglês o estádio inteiro deu aquela vai. Que feio.

GRANDE PÚBLICO
O placar anuncia o público presente em Moscou, por aqui 78.011 torcedores.
E o castigo do anti futebol é dado aos ingleses, após cruzamento da direita o croata Perisic se antecipa a zaga e desvia para empatar o jogo, GOL da Croácia.

O estádio vira uma panela de pressão e no lance seguinte quase acontece a virada mas a bola vai na trave. Agora quem canta mais alto são os croatas, o jogo fica bom e os ingleses começam a perceber que se ficarem somente se defendendo não farão uma boa escolha diante de um adversário com muita qualidade com a bola no pé.

Consciente do rumo que a partida caminhava a Inglaterra volta a atacar e tenta manter mais a bola no campo de ataque, mesmo assim o momento dos croatas é de pressão pelo segundo gol. O jogo melhora bastante após um início de segundo tempo bem chato.

Passamos dos trinta e cinco minutos do segundo tempo e nesse momento ninguém quer prorrogação. Jogo aberto e ataques de lado a lado, assim como nas arquibancadas onde as torcidas dão show.

De um lado Mandzukic obriga o goleiro inglês a fazer uma grande defesa, no lance seguinte quase a Inglaterra chega com Rashford. São duas escolas interessantes na partida de hoje.

A Croácia chega aos quarenta minutos mais inteira e o termômetro é a arquibancada onde torcedores de outras nações começam a empurrar a equipe de Modric e Cia, inclusive com gritos para a torcida local "Rússia, Rússia".

ÚLTIMAS CHANCES
Aqui já deu noventa, o árbitro promete mais três e a Inglaterra tem uma chance com uma falta da entrada da área. Nada, a bola foi para Harry Kane que não está em sua melhor noite.
E olha quem apareceu, a torcida brasileira com o tradicional "Mil gols, mil gols, só Pelé, só Pelé", é a festa do futebol e se tem festa não pode faltar o Brasil, mesmo que hoje somente com sua torcida.

Fim de jogo, teremos prorrogação em Moscou. Alguns jogadores visivelmente cansados, mas o nível de concentração e comprometimento dos atletas das duas equipes nos comove.
Vale vaga na grande final.

Massagem feita, água tomada e orientações dadas no campo, nas arquibancadas a galera deu aquela calibrada para mais trinta minutos. Vamos para o jogo !

Começamos o tempo extra com uma Inglaterra tomando as ações da partida, bem diferente do que acontecia até o final do tempo regulamentar. Será que a tradição vai predominar diante da técnica?

MUDANÇAS NOS TIMES

Os técnicos mexem em suas equipes, mesmo assim a intensidade do jogo cai um pouco.
Os ingleses seguem pressionando mais e quase marcam com Stones se não fosse o lateral Vrsaljko tirar em cima da linha após a bola já ter passado pelo goleiro croata.

Mesmo não sendo uma épica apresentação tecnicamente das duas equipes é impressionante o nível de respeito e dedicação de lado a lado. A doação dos atletas é algo que não vejo na seleção brasileira há muitos anos em uma partida de futebol. Jogadores com fisionomias de absoluto cansaço mas focados e comprometidos. Um jogão !

Fim do primeiro tempo da prorrogação. Agora são quinze minutos para decidirem ou as tão crueis penalidades.

A Croácia chegou a essa fase após passar pela Rússia da mesma maneira.

Ninguém sai do estádio, no máximo vão até o bar para pegarem a última cerveja da noite, ou a penúltima já que para os vencedores a noite será uma criança.

Jogadores das duas equipes convocam seus torcedores em gestos que servem também para ganharem forças nesse momento de decisão. Rola a bola e lá vamos nós para os últimos quinze minutos.

CRAQUE DA JUVENTUS
GOL da Croácia, Mario Mandzukic, o craque que atua na Juventus da Itália e terá somente Cristiano Ronaldo como seu companheiro na próxima temporada aproveita uma bola rebatida dentro da área e enche o pé para enlouquecer o estádio e com certeza incendiar um país.

Uma nação que possui uma história marcada por muitas guerras e grandes conquistas, desde suas passagens pelo sacro império romano-germânico, passando pela gestão conjunta entre Áustria e Hungria, como república da antiga Iugoslávia, até sua independência que veio em 1991.

Alguns jogadores da Inglaterra desabam em campo. Croatas correm para todos os lados sem saberem o que fazer. Pode ser um gol histórico.

Modric, o cara do jogo sai de campo mas segue ao lado do técnico incentivando seus companheiros.

A Inglaterra sentiu o golpe e não consegue pressionar da maneira que gostaria. Agora é coração contra uma fria Croácia que toca a bola como uma experiente campeã mundial.

O árbitro assinala mais quatro minutos de jogo. Aguenta coração.

FIM DE JOGO, a Croácia fará sua primeira final de Copa do Mundo na história.

Méritos para um time que apresentou um comportamento frio e extremamente técnico ao longo da competição. Uma seleção que no futebol competitivo de hoje foi competente e soube valorizar a posse de bola e os limites individuais e coletivos de seus atletas.

Um grande jogo, do tamanho dessa gigante Copa.

Vence o Futebol mais uma vez !!!

 
 
  • A cobertura da Copa do Mundo é um oferecimento
" />