Com bairro já em clima de Copa do Mundo, Vila Zelina é a Rússia paulistana

A Vila Zelina, bairro localizado na zona leste e que concentra o maior número de russos e descendentes de São Paulo

por Agência Estado

  • A cobertura da Copa do Mundo é um oferecimento

Campinas, SP, 07 - Duas grandes bandeiras - uma da Rússia e outra do Brasil - são o cartão de visitas da pizzaria Famiglia Klestoff, que prepara pizzas inspiradas nas principais seleções da Copa do Mundo. Na próxima semana, os moradores da rua Manaias vão pintar as calçadas. Alguns ficaram em dúvida entre o azul, branco e vermelho da terra natal e o verde e amarelo que os acolheu no Brasil. Ficaram com a segunda opção. A Vila Zelina, bairro localizado na zona leste e que concentra o maior número de russos e descendentes de São Paulo, começa a viver o clima de Mundial.

O maior torneio de futebol do planeta aproxima os russos do futebol. O estudante André Gers, neto de russos, pratica corrida e natação normalmente, mas faz questão de assistir aos jogos. "A Copa do Mundo significa a união de vários países em torno do futebol. Vou torcer para o Brasil", disse.

Com bairro já em clima de Copa do Mundo, Vila Zelina é a Rússia paulistana
Com bairro já em clima de Copa do Mundo, Vila Zelina é a Rússia paulistana
O mesmo movimento ocorre em Campina das Missões (RS), local do início da migração russa no Brasil. Lá, as pessoas costumam praticar futebol, vôlei e caminhada de acordo com Jacinto Zabolotsky, presidente da Associação Cultural Russa Volga do Brasil. "Já existe uma expectativa grande pela Copa. Todo mundo só fala disso", contou.

As novas gerações têm um papel importante nessa paixão repentina. E até mudam a lei natural das coisas. "Eu sempre fui palmeirense fanático e meu pai tinha de me levar aos jogos desde criança. E ele começou a gostar. No nosso caso, foi o filho que levou o pai a gostar de futebol", contou Rafael Klestoff, ex-jogador de handebol.

O professor de Educação Física Thiago Lopes Gandolfi relembra uma espécie de Copa do Mundo que agitou a região. Em 2008 e 2010, ele levou a equipe de futsal do Colégio São Miguel Arcanjo para um torneio em Moscou a convite da prefeitura de lá. Foram 12 modalidades ao todo, mas o futebol foi o carro-chefe. "Foram experiências muito importantes, que ficam para a vida toda", disse o coordenador de Esportes do colégio.

Konstantin Biryukov, adido cultural do Consulado da Rússia em São Paulo, confirma a Vila Zelina como maior concentração de russos, mas explica que os números não são oficiais. A Associação de Moradores cita 10 mil. No total, seriam entre 100 mil e 200 mil russos e descendentes no Brasil.

COROINHA
A maioria dos russos que vivem no Brasil é ligada, de uma maneira ou de outra, à Igreja Ortodoxa. A Vila Zelina concentra vários templos, entre eles a Santíssima Trindade, um verdadeiro microcosmo da importância da religião russa no Brasil. Existem semelhanças e diferenças em relação ao catolicismo.

Entre as semelhanças estão os principais sacramentos como batismo, crisma, comunhão (com pão e vinho no lugar da hóstia), casamento e confissão. A principal diferença é a permissão para os padres se casarem.

Filho de padre e neto do bispo, o estudante Filipe Petrenko sabe que tem a responsabilidade de fazer a tradição seguir em frente. Hoje ele é coroinha, uma espécie de ajudante dos líderes religiosos na igreja.

Filipe Petrenko acredita na mensagem de integração trazida pelo Mundial da bola. "Copa é união. Não importa o time para o qual você torça, você se torna brasileiro. Tem essa união da nação toda, todos são um só nessa festividade", disse o rapaz, que pretende prestar vestibular para Física. "O esporte ajuda a manter corpo e mente saudáveis", crê.

 
 
  • A cobertura da Copa do Mundo é um oferecimento
" />