Com grandes nomes, FPF apresenta painel sobre arbitragem e novidades na Copa Paulista

O debate faz parte do evento do lançamento oficial do torneio estadual e contou com cobertura 'in loco' do Portal FI

por Lucas Badan

Campinas, SP, 03 (AFI) - Com cobertura 'in loco' do Portal Futebol Interior, a Federação Paulista de Futebol (FPF) apresentou na manhã dessa sexta-feira as novidades com relação a arbitragem para a edição de 2018 da Copa Paulista. O painel sobre um dos assuntos mais polêmicos do futebol faz parte do evento de abertura do torneio estadual que acontece no Hotel Meliã, em Campinas.

O debate contou com os dois árbitros auxiliares paulistas da FIFA que representaram o Brasil na Copa do Mundo da Rússia: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Van Gasse. Além de Dionísio Roberto Domingos - Diretor do Departamento de Arbitragem da FPF -, Ednilson Corona - Presidente da Comissão Estadual de Arbitragem da FPF- , Raphael Claus e Luiz Flávio de Oliveira, outros dois renomados árbitros.

Com grandes nomes, FPF apresenta painel sobre arbitragem e novidades na Copa Paulista (Foto: Gustavo Abraão)
Com grandes nomes, FPF apresenta painel sobre arbitragem e novidades na Copa Paulista (Foto: Gustavo Abraão)

NOVAS REGRAS NA COPA PAULISTA
Além do painel que debateu diversos assuntos sobre arbitragem, o Departamento de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF) divulgou algumas novas orientações que começam a valer a partida da disputa da Copa Paulista. Entre as principais novidades, está a autorização do uso de aparelhos eletrônicos para comunicação para meios esportivos, entre membros da comissão técnica.

Outra mudança importante é que os Departamentos Médicos das equipes estão autorizadas a adentrarem ao campo de jogo caso percebam que um jogador se lesionou gravemente e o juiz não perceba - anteriormente, o trio de arbitragem precisava liberar. A Federação também reforçou que o acompanhamento psicológico dos profissionais é vital, dada a carga de responsabilidade e pressão pelos quais eles passam.

DE OLHO NO VAR
Tendo contato direto com o VAR (sigla em inglês para video assistant referee) no mundial russo, Marcelo Van Gasse salienta que a ferramenta representa muito para o quadro de arbitragem.

“O VAR veio como uma segunda chance para o árbitro que é um ser humano que trabalha arduamente pra chegar num grande nível e o trabalho da federação, neste sentido, é perfeito e temos de aproveitar isso”, disse o assistente elogiando os avanços da FPF na possibilidade de contar com o árbitro de vídeo o quanto antes.

Emerson Augusto de Carvalho alertou para a instantaneidade da situação. “Tudo é muito novo e precisamos trabalhar para que tenhamos sucesso nos campeonatos que terão utilização desta ferramenta”, disse o assistente que também esteve na Rússia e foi corroborado por Ednilson Corona.

“O VAR é algo muito novo com o objetivo de resolver e solucionar todas as questões da arbitragem. A princípio, ele pode ser usado em quatro situações e tem um protocolo a ser seguido. Então, continua com algumas situações em que não haverá interferência”, ponderou o presidente da Comissão de Arbitragem da FPF.

INTEGRAÇÃO E ERROS
A naturalização dos equívocos cometidos pelos árbitros também foi tema em diversos momentos. Luiz Flavio de Oliveira lembra que, assim como todo profissional, o árbitro tem necessidades e desejos na carreira. “Nós também temos anseios, temos o sonho de chegar ao máximo da nossa carreira”, disse.

“Se vocês sofrem quando há um erro de arbitragem, imagina a gente e nossos familiares que são os que mais sofrem conosco. Saímos de casa para fazer o nosso melhor e quando isso não acontece, o prédio da FPF balança, a comissão balança e a gente sofre demais”, salientou o árbitro.

Vice-Presidente do Departamento de Integração com Atletas, Mauro Silva foi lembrado por Raphael Klaus no esforço da FPF por maior contato entre todos agentes do futebol paulista.

“O trabalho que a FPF tem feito, na figura do Mauro (Silva), de integrar o árbitro com dirigentes e treinadores tem ajudado a olharem para nós de forma diferente. Antes nos viam como se a gente fosse algo de fora do futebol e não somos. Somos parte do processo e saímos de casa para fazer o nosso melhor, todo dia”, reforçou.

ESCOLA NO INTERIOR
Com o intuito de diminuir custos e oportunizar o acesso aos cursos de arbitragens, a FPF deve promover uma turma em Araraquara, inicialmente. “Nos nossos dados, os árbitros do interior permanecem mais tempo no nosso quadro. Por isso, vamos descentralizar a arbitragem”, disse Dionísio Roberto Domingos, diretor de arbitragem da FPF que salientou em seu discurso as inúmeras dificuldades que enfrentam os aspirantes a árbitros para frequentar as aulas na capital paulista.

De acordo com Ednilson Corona, presidente da Comissão de Arbitragem, os custos aos clubes também são levados em conta nessa descentralização.

“A importância da escola no interior tem a ver também com a regionalização da arbitragem nas categorias de base. A gente sabe da dificuldade dos clubes em arcar com as taxas e isso vai possibilitar diminuir estes custos nas categorias de base”, concluiu.

Cobertura Especial Portal Futebol Interior - Lucas Badan e Gustavo Abraão
 
 
" />