Presidente que revolucionou o Interior deixa time da Copinha

por Agência Futebol Interior

Araras, SP, 05 (AFI) - Em reunião realizada na manhã desta quarta-feira, na sede do União São João, o presidente José Mário Pavan (foto) afastou-se do cargo por período indeterminado e, durante a mesma reunião deixou como seu sucessor o atual gerente de futebol do Alviverde, Antonio Carlos Beloto.

Confira:
Jesus salva? Na lanterna, time da Copinha anuncia novo técnico

Durante o discurso, o ex-presidente falou: “Nada mais justo do que deixar em meu lugar, durante este tempo em que me afasto, uma pessoa que dedicou sua vida integralmente ao União, que está no clube desde sua fundação e que, com certeza, não medirá esforços para continuar fazendo do União um clube de reconhecimento infindável em todo meio esportivo, assim como é hoje”.

Pavan disse ainda que a nomeação de Beloto é uma forma de reconhecimento aos serviços prestados ao clube do povo de Araras. “Estou me afastando por um tempo do cargo de presidente, mas não do clube, pois o que está no coração da gente é impossível de ser arrancado”.

Ao final do discurso Pavan assinou a ata e empossou de modo oficial Antonio Carlos Beloto como novo presidente do União. Em seu primeiro discurso, Beloto deixou claro que a linha de administração será mantida, pois “em time que está ganhando, não se mexe”, fazendo referência com esta frase à luta diária de toda diretoria do clube.

Mais sobre Pavan
José Mário Pavan foi um inovador no futebol do interior paulista. Levou o União São João a se tornar o primeiro clube-empresa do país, depois de um início com a usina de cana de açúcar da cidade de mesmo nome.

Pavan sempre teve idéias avançadas e não soube exercer sua força política para galgar espaços mais importantes dentro do futebol de São Paulo. Várias vezes foi indicado por companheiros para assumir cargo de relevância na Federação Paulista de Futebol, mas sempre preferiu manter como prioridade seu trabalho à frente do clube.

Pavan demorou para se adaptar à Lei Pelé, quando os clubes perderam todo o poder sobre as vendas de jogadores. Esta era a principal fonte de recurso do clube, que revelou muitos jogadores importantes. O mais destacado, sem dúvida, foi o lateral-esquerdo Roberto Carlos, que depois passou pelo Palmeiras, Inter de Milão, Real Madrid, onde ficou 11 anos, e atualmente defende o Fenerbaçe, da Turquia.

 
 
" />