Sobreviventes de tragédia da Chapecoense tentam voltar a ter vida normal

Alan conseguiu voltar aos gramados desde o ano passado e tem atuado normalmente pela Chapecoense

por Agência Estado

Chapecó, SC, 29 - Os seis sobreviventes da tragédia com o voo da Chapecoense tentam, dois anos depois, retomar suas vidas e deixar para trás tudo que aconteceu. São os casos de Alan Ruschel, Jakson Follmann, Neto, Rafael Henzel, Erwin Tumiri e Ximena Suarez.

Alan conseguiu voltar aos gramados desde o ano passado e tem atuado normalmente pela Chapecoense. Após a tragédia, casou com a namorada Marina e espera pelo nascimento do filho Luca. Embora ainda tenha dificuldades para fazer alguns movimentos, garante estar em totais condições para jogar.

Follmann, que perdeu a perna direita no acidente, casou-se com Andressa, sua namorada, e atualmente é embaixador do clube, faz curso para se tornar dirigente e é dono de um clínica que vende próteses para amputados em Chapecó.

Quanto ao zagueiro Neto, ele tem voltado lentamente aos treinamentos, após duas cirurgias nos joelhos e a expectativa é que ele retorne aos gramados no ano que vem. O jornalista Rafael Henzel continua trabalhando na rádio Oeste Capital FM, em Chapecó.

A comissária de bordo Ximena Suarez já disse algumas vezes que sonha voltar a voar, mas que ainda não teve condições psicológicas de entrar em um avião desde a tragédia. Entretanto, trabalha em um aeroporto. E o técnico de voo, Erwim Tumiri é o sobrevivente que mais evita a imprensa. Atualmente, ele é piloto particular na Bolívia e está estudando para ser piloto de voo comercial.

Sobreviventes de tragédia da Chapecoense tentam voltar a ter vida normal
Sobreviventes de tragédia da Chapecoense tentam voltar a ter vida normal
LUTA CONTRA A DEGOLA

Dentro de campo, a Chapecoense continua na luta para evitar um inédito rebaixamento no Campeonato Brasileiro. O clube de Santa Catarina, ao lado de Cruzeiro, Flamengo, Santos e São Paulo, faz parte da lista de cinco times brasileiros que desde que jogaram pela primeira vez a Série A, nunca foram rebaixados em torneios nacionais.

Para se manter na elite, a Chapecoense precisa vencer o São Paulo no domingo, na Arena Condá. Caso isso não ocorra, precisará torcer para que América-MG (que visita o Fluminense) e Sport (que recebe o Santos) tropecem. A Chapecoense tem 41 pontos e é o primeiro time fora da zona de rebaixamento. Logo abaixo aparece o América-MG (40) e Sport (39).

A diretoria resolveu fazer uma intensa campanha para encher o estádio no final de semana. Os ingressos terão preços promocionais e custarão a partir de R$ 10. Além disso, há uma intensa propaganda nos veículos de comunicação de Chapecó incentivando os torcedores a irem ao jogo. A equipe catarinense está na primeira divisão desde 2014 - o acesso foi garantido um ano antes, quando o clube foi vice-campeão da Série B.

HOMENAGENS - A Chapecoense irá realizar nesta quinta-feira, às 21 horas, um culto ecumênico no Átrio Daví Barela Dávi, em Chapecó, para relembrar as 71 vítimas. Ainda está previsto uma apresentação do coral da cidade e a presença do 14º Regimento de Cavalaria Mecanizado de São Miguel do Oeste. Além do culto, entre 9h e 21h o túnel "Pra Sempre Chape" ficará aberto para visitação do público.

 
 
" />