CARIOCA: Botafogo faz gol relâmpago, joga com um a mais e só empata com a Portuguesa

O Botafogo perdeu a chance de encostar nos líderes, mas acabou dominado pela Lusa que se superou com um jogador a menos

por Agência Futebol Interior

Mesquita, RJ, 4 (AFI) - O Botafogo fez um gol relâmpago, marcado antes do primeiro minuto, contou com um jogador a mais desde os 36 minutos do primeiro tempo com a expulsão de um adversário e mesmo assim não conseguiu vencer a Portuguesa, neste domingo à tarde, no estádio Giulite Coutinho, em mesquita (RJ), pela oitava rodada da Taça Guanabara.

O empate por 1 a 1 parece ter sido o mais justo, mantendo a Portuguesa na terceira posição com 14 pontos e o Botafogo, com 11 pontos, na provisória quarta posição. Acontece que Madureira, com 11, e Fluminense, com 10, ainda vão jogar na rodada.

VEJA OS MELHORES LANCES DO EMPATE

GOL RELÂMPAGO
A expectativa de um início de jogo estudado caiu por terra aos 49 segundos com o gol relâmpago do Botafogo. Após triangulação do lado esquerdo, Marcinho entrou na área e rolou para o meio, onde Felipe Ferreira pegou de primeira de perna esquerda.

Uma vantagem importante, ainda mais se for considerado o fato de que a Portuguesa tem a melhor defesa da competição, tendo entrado em campo com apenas dois gols sofridos.

GOL ANULADO
O esquema 4-4-2 armado pelo técnico Marcelo Chamusca tinha como objetivo principal manter mais a posse de bola. Mas a Portuguesa, montada no 4-3-3 por Felipe Surian, não se intimidava e tenha vir pra cima da defesa botafoguense.

Jhulliam chegou a empatar aos 23 minutos, quando ajeitou a bola no joelho, ela subiu e na queda ele pegou de esquerda. O árbitro Bruno Arleu Araújo ‘viu’ o toque na mão, que não ficou bem caracterizado.

Num lance desnecessário, Muniz segurou por trás a Rafael Navarro, que puxava o contra-ataque, sendo expulso. Mesmo com um jogador a menos, o time da Ilha do Governador manteve seu bom ritmo e jogo, sonhando em empatar.

Portuguesa teve mais posse de bola do que o Botafogo
Portuguesa teve mais posse de bola do que o Botafogo

NÃO MELHOROU
Na volta do intervalo, o Botafogo apresentou duas mudanças. Na lateral entrou David Sousa no lugar de Paulo Victor e no ataque Kaíque substituiu a Matheus Babi que recebeu cartão amarelo no final do primeiro tempo. E Kaíque quase ampliou aos sete minutos quando acertou o travessão.

Mas a Portuguesa continuava com vantagem na posse de bola, encurralando o Botafogo em seu campo defensivo. O empate parecia ser apenas questão de tempo. E saiu aos 28 minutos, após cruzamento que saiu do lado direito e vou afastado pela defesa.

Na frente da grande área, Chay matou a bola no peito e chutou de primeira no ângulo esquerdo de Douglas Borges. Um golaço e que fez justiça ao maior volume de jogo da Portuguesa.

CHAMUSCA RECONHECE ERROS E FALTA DE ORGANIZAÇÃO

GOLAÇO E CHANCE FINAL
Na comemoração, empolgado, Chay tirou a camisa e recebeu o cartão amarelo. Em seguida reclamou de cansaço e acabou substituído por Lucas Santos. O empate também arrefeceu os ânimos da Portuguesa, que quase sofreu o segundo gol aos 44 minutos.

Marco Antônio chutou a bola rasteira e Luis Gustavo aliviou em cima da risca, dando sorte porque a bola ainda bateu na tarde antes de sair.

PRÓXIMOS JOGOS
Pela nona rodada, o Botafogo vai sair diante do Volta Redonda, enquanto a Portuguesa vai receber o Bangu.

Ficha Técnica

Fase
Taça Guanabara
Rodada
8ª rodada
Data
04/04/2021
Horário
17h00
Local
Giulite Coutinho - Mesquita (RJ)
Árbitro
Bruno Arleu de Araújo

Assistentes
Daniel de Oliveira Alves Pereira e Marcus Vinícius Machado Araújo Brandão.

Cartões Amarelos
Botafogo: Jonathan, Marcinho, Ricardinho, Matheus Babi, Davi Sousa, Paulo Victor
Portuguesa: Chay

Cartões Vermelhos
Portuguesa: Muniz
Gols
Botafogo: Felipe Ferreira 0' 1T
Portuguesa: Chay 28' 2T
Botafogo
Douglas Borges;
Jonathan, Kanu, Gilvan e Paulo Victor (David Sousa);
Ricardinho (Marco Antônio), Matheus Frizzo, Marcinho (Matheus Nascimento) e Felipe Ferreira (Ronald);
Rafael Navarro e Matheus Babi (Kayque).
Técnico: Marcelo Chamusca
Portuguesa
Neguete;
Watson, Pedro Carrerete, Diego Guerra e Luis Gustavo;
Muniz, Mauro Silva e Cafu (Rafael Pernão);
Romarinho, Jhulliam (Emerson Carioca) e Chay (Lucas Santos).
Técnico: Felipe Surian