Após polêmica na Série C, Associação de Árbitros ataca Meira Ricci ao defender Vuaden

Comentarista do SporTv classificou com 'estranha' a marcação do pênalti a favor do Náutico

por Agência Futebol Interior

Decisão de Vuaden causou polêmica. (Foto: Divulgação / CBF)
Decisão de Vuaden causou polêmica. (Foto: Divulgação / CBF)
Rio de Janeiro, RJ, 09 (AFI) - O polêmico pênalti marcado por Leandro Vuaden nos minutos finais da partida entre Náutico e Paysandu, em jogo que decretou o acesso alvirrubro à Série B, foi bastante criticado pelo ex-árbitro, hoje comentarista, Sandro Meira Ricci. As palavras usadas na crítica proferida pelo funcionário do SporTv incomodou Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (ANAF), que emitiu uma nota oficial defendendo Vuaden e dizendo que Meira Ricci é um dos “árbitros mais contestados da história recente do futebol".

Em comentário no programa Troca de Passes, o ex-árbitro disse que a decisão de Vuaden foi “estranha”. O Paysandu vencia o jogo por 2 a 1 quando o juiz marcou um pênalti por toque de mão de Uchôa. Jean Carlos converteu para o Náutico e levou a decisão do acesso para os pênaltis, disputa vencida pelo time pernambucano.

Sandro Meira Ricci foi detonado pela ANAF. (Foto: Divulgação / Palmeiras)
Sandro Meira Ricci foi detonado pela ANAF. (Foto: Divulgação / Palmeiras)
"Estranho não é marcar um pênalti aos 49 minutos do segundo tempo com a certeza de que a infração ocorreu, mas demorar quase 15 minutos em um Fla x Flu para tomar uma decisão. Ou então aplicar dois cartões amarelos ao mesmo jogador durante uma partida. Ou, quem sabe, ter sido, entre os colegas e até pela própria imprensa, um dos árbitros mais contestados da história recente do futebol, justamente pelo que fazia dentro de campo", diz a nota em um dos trechos mais críticos.

"Declarar que foi estranha a marcação do pênalti do jogo etnre Náutico e Paysandu tem o objetivo claro de jogar a vitoriosa carreira de Leandro Vuaden na vala comum, bom como a arbitragem brasileira, levantando suspeições como essa. E a ANAF não vai permitir que isso aconteça!", finaliza a Associação.

CONFIRA NA ÍNTEGRA A NOTA DIVULGADA PELA ANAF: