ESPECIAL SÉRIE C: Acesso inédito, retornos históricos e show do Operário

Operário Ferroviário, Cuiabá, Bragantino e Botafogo-SP vão disputar a Série B no ano que vem

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 17 (AFI) - O Campeonato Brasileiro da Série C de 2018 teve tudo o que um bom fã de futebol aprecia, com muita emoção do começo até o fim e capítulos importantes da história sendo escritos. Diante deste cenário, os quatro acessos foram definidos com surpresas do atual cenário nacional. Enquanto Botafogo-SP e o campeão Operário-PR conseguiram retornar à Série B após muitos anos longe da divisão, o Cuiabá irá disputá-la pela primeira vez.

Entre os times que conquistaram o acesso, o Bragantino é o mais habituado em participações recentes na segunda divisão nacional. A última foi em 2016, quando foi rebaixado. O Operário-PR, por sua vez, é o clube que estava há mais tempo longe da Série B, longe da competição desde 1991.

DE VOLTA
O jejum do time de Ponta Grossa era de 27 anos. De 91 para trás, disputou a segundona em apenas em cinco oportunidades e a elite em uma. Para renascer, o Fantasma amargou muitas decepções, ficando de 1994 a 2009 sem participar nenhuma divisão nacional. Após esse período, disputou a Série D quatro vezes (2010, 2011, 2015 e 2017), conseguindo o acesso à Série C na temporada passada e aproveitando o embalo para chegar à Série B após o primeiro ano na terceira divisão.

Foto: José Tramontin
Foto: José Tramontin

Depois do Operário, o time há mais tempo sem disputar a segunda divisão é o Botafogo-SP, fora desde 2002. Na história, esteve presente em 15 edições da Série B, inclusive sendo vice-campeão em 1998, e em seis da Série A.

Em 2001, um ano antes de disputar a Série B pela última vez, o Pantera foi rebaixado da elite depois de ter sido vice-campeão paulista. A partir daí, depois de viver um dos melhores momentos de sua história, veio a derrocada. Em 2003, foi eliminado da Série C e ficou sem calendário nacional, além de ter sido rebaixado no estadual.

O Botafogo vive um dos melhores momentos da história. (foto: Raul Ramos / Ag Botafogo)
O Botafogo vive um dos melhores momentos da história. (foto: Raul Ramos / Ag Botafogo)

Depois de um processo de reconstrução, o Botafogo se reencontrou no estadual, onde chegou até a disputar a Série A3, e reconquistou espaço no cenário nacional. Após participações nas séries D de 2010 e 2013, conseguiu o acesso na terceira tentativa, em 2015.

INÉDITO
Apesar dos retornos de dois times que viviam longos jejuns, a grande novidade da Série C foi o acesso do Cuiabá, que nunca em sua história disputou a Série B. Fundado em 2001, o time subiu da Série D em 2011 e precisou de sete temporadas para chegar à terceira divisão nacional.

FRACASSO NORDESTINO
Curiosamente, todos os acessos saíram do Grupo B. Enquanto isso, para os quatro classificados do Grupo A, sobrou a frustração. O time que menos sentiu a eliminação foi o Atlético-AC, que chegou da Série D no ano passado e não era visto como um dos candidatos ao acesso, mas surpreendeu a todos com uma grande campanha, sendo eliminado com dignidade diante do Cuiabá.

O gosto mais amargo ficou com os nordestinos, principalmente com a dupla pernambucana. Tanto Náutico quanto Santa Cruz foram rebaixados da Série B no ano passado e começaram a disputa da Série C como favoritos ao acesso.Após se revezarem entre participações na Série B e na Série A nos últimos anos, os dois vão ficar sem calendário até o início do Campeonato Pernambucano, em 2019.

O Cuiabá vai disputar a Série B pela primeira vez.
O Cuiabá vai disputar a Série B pela primeira vez.

Do lado do Botafogo-PB, também houve frustração. Com a eliminação para o Boafogo-SP, o Belo caminha para a sexta participação seguida na Série C. Neste período, já havia sido eliminado nas quartas de final para o ABC, em 2016.

Com a permanência do trio, o Nordeste pode ter uma representatividade mínima na Série B de 2019, já que Sampaio Corrêa e CRB brigam contra o rebaixamento e o CSA pelo acesso. Ainda assim, é possível que algum nordestino seja rebaixado da Série A, como Ceará e Sport, hoje integrantes da zona de rebaixamento.

O Bragantino está de volta à Série B.
O Bragantino está de volta à Série B.

O CAMPEÃO
Após deixarem os paulistas Bragantino e Botafogo para trás nas semifinais, Cuiabá e Operário disputaram o título em dois dos melhores jogos da temporada. No primeiro jogo, em Ponta Grossa, o duelo terminou em um empate por 3 a 3, com gols aos 24 segundo de jogo, virada cuiabana e empate do dos donos da casa aos 45 minutos. Após o apito final, tudo terminou em briga generalizada, tamanha era a tensão no Germano Kruger.

No jogo de volta, Operário Ferroviário calou mais de 41 mil torcedores presentes na Arena Pantanal e fez história ao levantar a taça da Série C. O time de Ponta Grossa não se deixou afetar por uma paralisação de uma hora e meia por queda de energia e venceu por 1 a 0. Muito disso, por conta de grande atuação do goleiro Simão.

Esta foi a primeira vez que um time conquistou as séries D e C em sequência. Além de tudo, o título coroa um grande momento dos operarianos. Campeão paranaense de 2015, o time passou por algumas dificuldades nas temporadas seguintes, sendo rebaixado para a segunda divisão estadual.

Operário não  cansa de conquistar títulos. (foto: José Tramontin)
Operário não cansa de conquistar títulos. (foto: José Tramontin)

Uma nova era, no entanto, começou no final do ano passado, com o acesso e o título da Série D. Em maio da atual temporada, veio o título da Segunda Divisão Paranaense e o retorno à elite. Agora, a consagração do acesso à Série B na condição de campeão da terceira divisão.

Do outro lado, o Cuiabá deixou de conquistar o primeiro título nacional para o Mato Grosso. Apesar disso, elevou o patamar do futebol do estado ao bater o recorde de público da Arena Pantanal, com 41.312 presentes. Antes, a marca era do duelo entre Nigéria e Bósnia Hezergovina, pelo Grupo F da Copa do Mundo de 2014, com 40.499 pessoas