Seleção é do Brasileirão, mas Flamengo e gringos comandam a temporada 2019

Campeão rubro-negro colocou nada menos do que seis jogadores, além do técnico Jorge Jesus

por Agência Futebol Interior

Rio de Janeiro, RJ, 09 (AFI) - O Portal Futebol Interior, como sempre faz, apresenta nesta segunda-feira a Seleção final do Campeonato Brasileiro da Série A. Conheça os destaques que desfilaram pelos gramados nacionais em 2019. Apesar da Seleção ser do Brasileirão, o campeão Flamengo dominou geral, assim como os gringos.

O Mengo colocou nada menos do que seis jogadores, além do técnico Jorge Jesus. O português fez história com a melhor campanha dos pontos corridos. Jorge Jesus mostrou a muitos técnicos brasileiros que um verdadeiro time de futebol busca vitórias e gols e nunca se acomoda, mesmo com o triunfo garantido ou até mesmo com o título na mão.

Não por acaso, o campeão bateu recordes de pontuação, vitórias, gols e muito mais. E Jorge Jesus também faz parte dos seis gringos escolhidos para a Seleção do Brasileirão. O equatoriano Arboleda, por exemplo, atuou na melhor defesa do Brasileirão (São Paulo). Já o espanhol Pablo Marí (Flamengo) mostrou toda a sua segurança no time campeão. Sem falar na habilidade dos uruguaios Arrascaeta (Flamengo) e Carlos Sanchez (Santos). E ainda teve o ousado venezuelano Soteldo (Santos).

Melhor técnico do Brasil. (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)
Melhor técnico do Brasil. (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)

Estes foram os nomes mais votados:

Tadeu (Goiás);
Rafinha (Flamengo), Arboleda (São Paulo), Pablo Marí (Flamengo) e Jorge (Santos);
Gerson (Flamengo), Arrascaeta (Flamengo) e Carlos Sanchez (Santos);
Bruno Henrique (Flamengo), Gabigol (Flamengo) e Soteldo (Santos);
Jorge Jesus (Flamengo).

Confira os 11 escolhidos e o treinador da Seleção do Brasileirão do Portal FI:

Goleiro: Tadeu (Goiás)

Tadeu no gol. (Foto: Goiás / Divulgação)
Tadeu no gol. (Foto: Goiás / Divulgação)

O Goiás não teve sorte com os ataques de alguns clubes. O Esmeraldino foi surrado em algumas oportunidades e terminou o Brasileirão com 64 gols tomados e a pior defesa. Mas os números são frios, caro torcedor. A situação poderia ser ainda pior se o goleiro Tadeu não estivesse em campo. Não por acaso, o paranaense de Joaquim Távora é apontado com um dos melhores goleiros desta edição. Foram 52 defesas difíceis, bem mais do que Diego Alves, do campeão Flamengo, ou Santos, do Athletico-PR e Seleção Brasileira. Não é absurdo ter Tadeu, de 27 anos, na Seleção do Brasileirão. Pelo contrário! E a torcida goiana sabe disso. Ou o Goiás não teria obtido o honroso 10º lugar, com vaga na Sul-americana.

Lateral-direito: Rafinha (Flamengo)
Foram anos e anos na Europa. Anos e anos em grandes clubes. Anos e anos de títulos. Rafinha colocou tudo isso em campo e buscou marcar seu nome em outro grande clube. Foi campeão pelo Flamengo. Foi um dos líderes dentro de campo. Aos 34 anos, Marcio Rafael Ferreira de Souza Cunha se destacou na posição. Ajudou tanto defensivamente, assim como foi decisivo na parte ofensiva.

Zagueiro: Arboleda (São Paulo)
O São Paulo teve a melhor defesa do Brasileirão. O Tricolor sofreu só 30 gols. Como comparação, o campeão Flamengo levou 37. Robert Abel Arboleda Escobar foi um dos destaques do sistema defensivo paulista. Até fez um gol. Aos 28 anos, o equatoriano Arboleda deu segurança aos companheiros e fez a torcida do São Paulo não sentir falta de Rodrigo Caio, que merece menção honrosa na Seleção do Brasileirão, assim como Gustavo Gomez, do Palmeiras.

Zagueiro: Pablo Marí (Flamengo)
O espanhol Pablo Marí chegou com o Brasileirão em andamento, mas não precisou de muito tempo para mostrar serviço. Tanto é verdade que o xerifão de 26 anos logo agarrou a titularidade e virou um dos destaques do campeão Flamengo. Autor de dois gols, Pablo Marí tem mais dois anos de contrato com o Rubro-negro para alegria dos torcedores. Bom defensivamente, forte pelo alto, dono de dois gols e com passes precisos que superam os 60%.

Lateral-esquerdo: Jorge (Santos)
Jorge tem apenas 23 anos e passagens por Flamengo, Monaco e Porto, além da Seleção Brasileira. No Santos, Jorge Marco de Oliveira Moraes, natural do Rio de Janeiro, conquistou a vaga, caiu no gosto de Jorge Sampaoli e deu conta do recado. Autor de um gol no Brasileirão, ele superou o experiente Filipe Luís na maioria das seleções. Jorge é um dos poucos escolhidos que não pertence ao campeão e fez por merecer.

Volante: Gerson (Flamengo)
Ele chegou sob a desconfiança de já ter vestido a camisa do rival Fluminense. Gerson "Vapo", porém, teve calma. Aos 22 anos, ele conquistou Jorge Jesus e a Nação Rubro-negra. Natural de Belford Roxo, no Rio de Janeiro, Gerson Santos da Silva pode ser chamado de volante, mas está longe disso. É um meio-campista da atualidade, que desarma, arma jogadas e faz gols. Foram dois na campanha do título.

Meia: Arrascaeta (Flamengo)
O início não foi nada bom. Giorgian Daniel De Arrascaeta Benedetti sofreu no novo clube e nas mãos de técnicos que não conheciam sua função na meia. Aos 25 anos, o ex-jogador do Cruzeiro deu a volta por cima dentro do próprio Brasileirão. O uruguaio foi determinante para a conquista nacional. Dono de 14 passes para gols, Arrascaeta ainda estufou o barbante em 13 oportunidades.

Gringo na área! (Foto: Alexandre Vidal / Marcelo Cortes / Paula Reis / Flamengo)
Gringo na área! (Foto: Alexandre Vidal / Marcelo Cortes / Paula Reis / Flamengo)

Meia: Carlos Sanchez (Santos)
Os 35 anos estão longe de pesar ou atrapalhar Carlos Andrés Sánchez Arcosa. Pelo contrário! O uruguaio caiu como uma luva no esquema do Santos. Caiu nas graças da torcida alvinegra e do técnico Jorge Sampaoli. Exímio batedor de pênaltis, Carlos Sanches fez 12 gols na campanha do vice-campeonato do Peixe e ainda foi o responsável por 81 assistências para finalização. Michael, do Goiás, também merece destaque. Ele, ao lado de Tadeu, foi um dos destaques do Esmeraldino.

Atacante: Bruno Henrique (Flamengo)
Bruno Henrique fez uma dupla perfeita com Gabigol. O terror dos adversários. Dos 86 gols marcados pelo maior ataque dos pontos corridos, Bruno Henrique Pinto comemorou 21. Aos 28 anos, natural de Belo Horizonte, o atacante ainda registrou 48 finalizações certas.

Atacante: Gabigol (Flamengo)
O que falar de Gabigol? O que falar do maior artilheiro dos pontos corridos? Se ele tem gol até no nome, imagina com a bola nos pés... Foram 25 tentos no Brasileirão, superando Borges e Jonas, então recordistas com 23. Gabriel Barbosa Almeida, aos 23 anos, marcou seu nome na história. Natural de São Bernardo do Campo, em São Paulo, Gabigol fez 29% de todos os gols do Flamengo. Ele e Bruno Henrique anotaram 46 tentos. Ou seja, mais de 50% dos gols do Mengo (53,4%). Tem gol? Chama o Gabigol!

Maior artilheiro do Brasileirão. (Foto: Alexandre Vidal / Marcelo Cortes / Paula Reis / Flamengo)
Maior artilheiro do Brasileirão. (Foto: Alexandre Vidal / Marcelo Cortes / Paula Reis / Flamengo)

Atacante: Soteldo (Santos)
Yeferson Julio Soteldo Martínez. O baixinho Soteldo. O dançarino Soteldo. O venezuelano conquistou a torcida do Santos. Aos 22 anos, ele desequilibrou. Marcou nove gols e deixou os companheiros na cara do gol. Vice-campeão e o nome do Peixe neste Brasileirão.

Técnico: Jorge Jesus (Flamengo)
Mister! De causar inveja nos ultrapassados técnicos brasileiros. Arrebentou e cravou recordes. Fez história! Campeão da Libertadores e do Brasileirão, Jorge Jesus, de 65 anos, conquistou 22 vitórias em 28 jogos, uma vez que entrou com a Série A em andamento. O português conquistou jogadores, dirigentes e torcedores. Só parte da imprensa e a grande maioria dos treinadores torceram o nariz. Pura inveja! Trabalho perfeito. Nada de acomodação no campeão Flamengo que buscou gols, títulos, recordes e vitórias.