Leonardo Gaciba vira maior alvo de reclamações dos clubes brasileiros

As queixas mais recorrentes ao presidente da Comissão de Arbitragem da CBF dizem respeito ao uso da tecnologia

por Agência Estado

São Paulo, SP, 06 - Presidente da Comissão de Arbitragem da CBF desde abril, Leonardo Gaciba virou o principal alvo de reclamações dos clubes na atual temporada. As queixas mais recorrentes dizem respeito ao uso da tecnologia.

Os dirigentes não estão contentes com algumas marcações do árbitros com o auxílio do árbitro de vídeo (VAR) e, em várias entrevistas, citam o atual chefe de arbitragem. Em sua defesa, Gaciba divulgou balanço recente em que aponta que o índice de acerto nas decisões dos árbitros até a 14.ª rodada é de mais de 90% após o início do uso de tecnologia.

Gaciba dedicou 17 dos seus 48 anos à carreira de árbitro e passou outros nove como comentarista de arbitragem. Ao chegar à CBF para substituir o Coronel Marinho, o gaúcho de Pelotas promoveu algumas mudanças.

Ele tem uma visão mais moderna em relação aos seus antecessores - estuda, por exemplo, a utilização de inteligência artificial e realidade virtual no treinamento dos juízes - e procura manter bom relacionamento com clubes e dirigentes.

Presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba vem sendo o principal alvo dos clubes (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
Presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba vem sendo o principal alvo dos clubes (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
TRABALHO DIFÍCIL
Com a implementação do VAR no calendário do futebol brasileiro, Gaciba decidiu visitar os 20 clubes da primeira divisão. A ideia é tirar dúvidas sobre a tecnologia e estreitar a relação com as agremiações. Corinthians, São Paulo, Inter e Vasco são alguns dos clubes que já tiveram palestra com o chefe da arbitragem da CBF.

No entanto, diante das polêmicas envolvendo os árbitros especialmente no Campeonato Brasileiro, o relacionamento de Gaciba com alguns se estremeceu. Recentemente, Athletico-PR, Atlético-MG, Inter, Palmeiras e Vasco fizeram cobranças ao ex-árbitro e exibiram insatisfação com a maneira que o VAR tem sido utilizado.

RECLAMAÇÕES
Sentindo-se lesados, os clubes têm feito reclamações formais à CBF. Caso do Athletico-PR, que, após o envio do ofício, afirmou que a ouvidoria da entidade que rege o futebol brasileiro reconheceu "o erro de fato da arbitragem na partida diante do Santos, no dia 8 de setembro, na Vila Belmiro". O parecer foi assinado por Manoel Serapião Filho.

No lance em questão, Marinho invadiu a área e caiu após contato com Braian Romero. Inicialmente, o árbitro Rodrigo Carvalhaes de Miranda assinalou a falta fora da área. No entanto, após consultar as imagens do VAR, o juiz marcou a penalidade, convertida pelo uruguaio Carlos Sánchez e que decretou o empate em 1 a 1.

Mais da metade dos clubes estão insatisfeitos com o VAR e defendem mudanças na utilização da ferramenta. O que os dirigentes mais pedem é a liberação das imagens revistas no vídeo e do áudio das conversas entre o árbitro de campo e os auxiliares na cabine. Os cartolas também querem que os torcedores presentes no estádio saibam o que está sendo analisado.