Parceiros nos bastidores, Palmeiras e Bahia viram adversários só por um dia

A parceria entre as equipes propicia, por exemplo, o Bahia a ter no elenco três jogadores emprestados pelo Palmeiras

por Agência Estado

São Paulo, SP, 10 - O encontro deste domingo no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro, será uma rara ocasião em que Palmeiras e Bahia não estarão do mesmo lado. Os dois times têm uma relação muito próxima e cordial entre si, a ponto de terem realizado nos últimos anos várias negociações de jogadores e atuado juntos na recente negociação com a Globo pelos direitos de transmissão da competição.

A parceria entre as equipes propicia, por exemplo, o Bahia a ter no elenco três jogadores emprestados pelo Palmeiras. O zagueiro Juninho, o meia Guerra e o atacante Artur estão cedidos temporariamente ao clube, mas o trio não poderá atuar devido a uma exigência contratual imposta pelo time paulista. Nos últimos anos, outros jogadores também foram cedidos ao Bahia por empréstimo, como o argentino Allione e o volante Matheus Sales.

A proximidade entre as diretorias permitiu ao Palmeiras encaminhar a contratação do meia Zé Rafael com bastante antecedência. Ainda em janeiro do ano passado o clube acertou com o Bahia a preferência de compra pelo jogador, um acordo em que o time interessado seria avisado caso houvesse proposta pelo atleta nos meses seguintes. No fim do ano passado, o Palmeiras decidiu efetuar a operação e pagou R$ 14,5 milhões, o valor mais alto já recebido pelo Bahia em uma negociação.

Os presidentes Mauricio Galiotte, do Palmeiras, e Guilherme Bellintani, do Bahia, estiveram do mesmo lado na longa negociação com a Globo pelos direitos de transmissão do Brasileiro para TV aberta e pay-per-view entre 2019 e 2024. Os dois clubes fecharam na TV fechada com o Esporte Interativo e demoraram a chegar a um acordo com a empresa carioca. O Bahia aceitou a proposta apenas em janeiro deste ano, enquanto o Palmeiras assinou o acordo em maio.

Entre os profissionais do departamento de futebol dos dois clubes, há mais coincidências. O atual técnico do Bahia, Roger Machado, trabalhou ano passado de janeiro a julho no Palmeiras, até ser demitido depois de uma derrota para o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro. Na diretoria alviverde, o gerente de futebol Cícero Souza teve passagem pelo Bahia antes de ser contratado pelo clube paulista.