Técnico do Guarani leva "pressão" da "imprensa vascaína"

por Agência Futebol Interior

Rio de Janeiro, RJ, 3 (AFI) – Nos festivos vestiários do Guarani, após a vitória sobre o Vasco da Gama, por 1 a 0, em São Januário, o técnico Vágner Mancini foi alvo da Imprensa, inclusive, a carioca que gostaria de saber o que ele achava da situação vascaína. Afinal, ele foi técnico do clube carioca ainda no início desta temporada.

Confira:
Gol aos 48 dá vitória ao Guarani


“Claro que me deu satisfação vencer este jogo, mas pensando mais no meu time, o Guarani”, explicou Mancini,que demorou um pouco para perceber que os cariocas queriam tirar dele declarações contrárias ao Vasco. Foi quando a “ficha caiu”.

"O Vasco vive um momento desconfortável, diferente do Guarani. Mas não quero falar do Vasco", comentou, já que vinha dirigindo o Vasco no início da temporada.

Vitória justa
"Foi uma vitória baseada em fatos que demonstram que o Guarani foi melhor que o Vasco", resumiu o treinador, explicando ainda que "mudamos a peça que tinha que ser mudada no momento que ela deveria ser mudada".

O técnico lembrou ainda que seu time “mostrou qualidade, que está bem equilibrado, harmônico a ponto de fazer um jogo seguro, sem tomar sufoco do adversário”.

O objetivo, agora, é conseguir outro bom resultado, domingo, contra o Grêmio Prudente, no Brinco de Ouro. O objetivo é terminar esta primeira fase, antes da Copa do Mundo, numa situação tranquila.

“Quem ficar para trás vai ficar cinco semanas preocupado”, comentou Mancini.

Herói divide os méritos
O atacante Roger estava, como sempre, muito eufórico e comemorando a vitória e o seu quinto gol no Brasileirão, que o deixa, por enquanto na artilharia isolada. Mas ele dividiu os méritos com os companheiros.

"Tem aquela história que não pode deixar o atacante piscar. Foi isto que aconteceu e nós fizemos o gol", comentou o artilheiro bugrino a Rádio Brasil de Campinas (AM 1270) ainda nos vestiários. E completou.

“Ninguém joga sozinho. Estamos jogando juntos, um ajudando o outro”, concluiu.