Será? "Estou preparado para substituir Kaká", diz Júlio Baptista

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 30 (AFI) - Com uma possível ausência do meia Kaká nas primeiras partidas da Copa do Mundo da África do Sul, devido aos problemas físicos que o brasileiro têm enfrentado nos últimos meses. Júlio Baptista (foto) diz que está preparado para substituir o companheiro.

Leia mais:
França não apresenta futebol de campeã e apenas empata


O craque do Real Madrid, depois de se recuperar de uma pubalgia, o jogador se recupera de um incomodo no adutor da coxa. O craque da Roma-ITA acredita que pode desempenhar um bom papel na vaga do apoiador, caso seja utilizado por Dunga na equipe principal.

“Estou pronto para fazer o meu trabalho como sempre fiz. Fico feliz com a confiança do treinador Dunga. Outros jogadores vieram e não conseguiram desempenhar a melhor atuação. Uma crítica como essa só faz o atleta melhorar como jogador. É por isso que vou estar sempre tranquilo em relação aos criticas”, afirmou Baptista.

Numeros favoráveis
Independente das criticas e da desconfiança dos torcedores brasileiros. Júlio Baptista é um dos convocados que teve participações decisivas na seleção Brasileira em toda Era Dunga. Na final da Copa América de 2007, na Venezuela, contra os rivais argentinos, Baptista entrou no segundo tempo e desequilibrou o jogo. Além da boa atuação, o maia marcou o primeiro gol da vitória brasileira sobre a Argentina por 3 a 0. Nas eliminatórias o jogador também participação decisiva.

Companherismo
Apesar da autoconfiança na substituição de Kaká, o meia se mostra solidário ao companheiro e afirma que o craque está recuperado dos problemas físicos.

“O Kaká vinha de uma lesão como todos já sabem. Mas já se reincorporou ao grupo e ele melhorou muito desde que chegou. O jogador quando chega na seleção, mesmo que ele venha de um mau período no clube, consegue se recuperar e dar tudo pelo Brasil. Aqui é diferente, vivemos coisas que não passamos em nossos clubes onde atuamos. É o ambiente mais importante que vivemos hoje”, concluiu Júlio Baptista.