Funcionária nega tentativa de estupro e meia pode permanecer no Botafogo-PB

Netinho, 24 anos, foi considerado inocente após depoimento da suposta vítima

por Agência Futebol Interior

João Pessoa, PB, 04 (AFI) - Netinho, de 24 anos, pode permanecer no Botafogo-PB. Após ter sido despedido por justa causa por suspeita de estupro, o jogador pode seguir no clube após o depoimento da suposta vítima livrando o atleta de qualquer crime. A diretoria só não cravou a permanência do meia, pois o mesmo chegou embriagado nas dependências da agremiação no último sábado.

Netinho é inocente no caso de um suposto estupro envolvendo uma funcionária do Botafogo-PB
Netinho é inocente no caso de um suposto estupro envolvendo uma funcionária do Botafogo-PB
Segundo a funcionária, o jogador é como um filho para ela e em nenhum momento a desrespeitou, inclusive, no dia que o suposto estuprado, descartado pela vítima, teria sido cometido. Após o depoimento, o próprio Botafogo-PB soltou um comunicado para esclarecer as verdades do fato.

A funcionária ainda afirmou que o boato do suposto estupro teria vindo de alguém com a intenção de difamar o jogador e acabar com o bom clima da equipe, que vem realizando um grande Campeonato Paraibano.

O presidente do clube, Sérgio Meira, garantiu que o Botafogo fará todo o possível para ajudar o atleta, mas deixou em aberto a possibilidade do meia voltar a fazer parte do grupo. Ele garantiu que os diretores vão analisar a situação com calma para tomar a melhor medida possível.

CARREIRA
Netinho começou a carreira no Catuense e surgiu no Boca Junior-SE, quando o Sergipe resolveu contratá-lo. Foi emprestado ao Nacional-PB, até parar no Botafogo-PB, na temporada passada.

Confira a nota oficial do Botafogo-PB
O Botafogo Futebol Clube, em vista de notícias publicadas neste final de semana, acerca de possível comportamento inadequado nas dependências do Clube, pelo Atleta Evandro Reis de Araújo (Netinho), esclarece que conforme declarações da nossa servidora, suposta vitima da ocorrência, perante a delegada Dra. Vera Lúcia de Lima Soares, da Polícia Civil Metropolitana , que colheu o referido depoimento restou concluído que não houve qualquer assédio contra a referida funcionária.

A diretoria reafirma que, como já divulgado na imprensa, o jogador chegou às dependências do clube, onde reside, neste sábado (02), por volta das 06 horas da manhã, com comportamento inadequado e, por este motivo, responderá pelos seus atos.

No depoimento, a servidora foi enfática ao afirmar não proceder a denúncia que está sendo veiculada em alguns órgãos de imprensa e nas redes sociais, e que “jamais fez qualquer comentário nesse sentido.”

O Botafogo Futebol Clube reitera o compromisso com a verdade, esclarecendo os fatos, e com base no Termo de Declaração, ocorrido na manhã desta segunda feira (04), à Delegada especializada, entende o caso como encerrado.

 
 
" />