Oposição vence eleições e Boca Juniors terá ídolo como vice-presidente

Jorge Amor Ameal será o presidente até 2023 e Mario Pergolini será vice

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 09 (AFI) - Juan Román Riquelme está de volta ao Boca Juniors. Calma, torcedor, não será dentro das quatro linhas. O ex-meia, agora, atuará como dirigente. A chapa da oposição venceu as eleições e o ex-camisa 10 será o segundo vice-presidente. Jorge Amor Ameal será o presidente até 2023 e Mario Pergolini será vice.

"A maioria dos sócios elegeu a chapa encabeçada por Jorge Amor Ameal para assumir o clube. Minhas felicitações para o novo presidente. Como sócio e torcedor, seguirei apoiando está camiseta e essas cores", disse o atual mandatário e, agora, derrotado Christian Gribaudo que era apoiado por Mauricio Macri, ex-presidente do Boca Juniors e atual presidente da Argentina, que deixará o cargo nesta semana, e pelo ídolo Diego Maradona.

Sem camisa 10 e com paletó. (Foto: Divulgação)
Sem camisa 10 e com paletó. (Foto: Divulgação)

As eleições tiveram recorde de votantes. Ao todo, 38.363 torcedores compareceram ao pleito. O Boca Juniors estava nas mãos do "oficialismo", do ex-presidente Maurício Macri, há 24 anos. Neste ano, porém, a oposição venceu.

VITÓRIA!
Jorge Ameal conseguiu mais da metade da votação, com 52,8% dos votos, contra 30,6% de Christian Gribaudo e 16,1% de José Beraldi.

"É uma festa. O torcedor do Boca veio votar pelo amor às cores do clube. Estou muito feliz", disse Riquelme, após a confirmação da vitória de sua chapa. Com o clube, o ex-jogador conquistou 11 títulos, entre eles três Copa Libertadores (2000, 2001 e 2007), uma Recopa Sul-Americana (2000) e uma Copa Intercontinental de Clubes (2000).

Nascido em San Fernando, Riquelme tem 41 anos e, pelo Boca Juniors, foi campeão do Campeonato Argentino - Clausura - (1998, 1999, 2000, 2001, 2008 e 2011), da Libertadores (2000, 2001 e 2007), do Mundial (2000), da Recopa (2008) e Copa Argentina (2011-12).