Por pandemia, Atlético-MG faz operação e libera 91 garotos em 72 horas

Júnior Chávare é o diretor responsável pelas categorias de base do Galo

por Agência Futebol Interior

Belo Horizonte, MG, 24 (AFI) - Em virtude da pandemia do novo coronavírus, o Atlético-MG montou grande operação para enviar para casa os 91 atletas das categorias de base.

O Galo custeou todas as despesas de viagem dos jogadores que residem na Cidade do Galo. Após paralisação de todas as competições do futebol nacional, clube resolveu a situação em 72 horas.

O trabalho nos bastidores contou com a participação da diretoria, por meio do presidente Sérgio Sette Câmara e de Alexandre Mattos, novo diretor de futebol, além do Departamento Social e CEO, Plínio Signoriri.

Júnior Chávare é o diretor das categorias de base do Atlético
Júnior Chávare é o diretor das categorias de base do Atlético

Quem também teve contribuição importante foi a parte logística, a qual liberação a verba para aquisição de 91 passagens aéreas a 12 estados diferentes, além de lanches e proteção individual, com máscaras e frascos de álcool em gel.

"Foi um trabalho em conjunto com todo o departamento do Atlético. Nós víamos que seria necessário o deslocamento dos atletas para suas casas. A ideia é que estivessem com seus familiares. Então agradeço muito ao presidente Sérgio Sette Câmara e ao diretor de futebol Alexandre Mattos. Eles compraram essa briga conosco", declarou Júnior Chávare, diretor das categorias de base.

CALENDÁRIO

O elenco sub 17 teria jogos pelo Campeonato Brasileiro, enquanto o sub 20 tinha compromisso agendado pela Copa do Brasil - tudo isso, todavia, foi interrompido pelo Covid-19, já presente em todos os continentes.

"Quando sentimos que a coisa estava se alastrando e a CBF já paralisando as competições, a nossa preocupação foi grande em relação aos atletas da base. Nós tínhamos de correr contra o tempo. Felizmente, em 72 horas, juntamente com toda diretoria, conseguimos os deslocamentos desses garotos para casa. Nós contamos com toda orientação médica do clube", emendou o dirigente.

PASSAGEM

Júnior Chávare chegou ao Atlético-MG em maio de 2019 e, rapidamente, mudou o status da base atleticana.

Antes passiva e dependente de empresários, departamento tornou-se mais agressivo na captação, com olheiros nos principais centros, inclusive nas zonas consideradas de risco - favelas e comunidades.

Com tal metodologia na contratação de garotos, o Galo trouxe peças com futuro promissor. São os casos dos zagueiro Micael (Independente de Limeira) e do zagueiro Guilherme Silva (Joinville); do lateral-direito Claudinho (Criciúma); do volante Wesley Hudson (Tupi); do meia Calebe (São Paulo); do meia-atacante Luis Otávio 'Echaporã' (Figueirense); e dos atacantes Patrick (Tupi) e Luciano Souza (Tubarão).