Rodrigo Santana destaca meta cumprida no Atlético-MG: 'Calculava 16 pontos'

Treinador está satisfeito com pontuação alcaçada pelo time após as nove primeiras rodadas do Brasileirão

por Agência Estado

Belo Horizonte, MG, 14 - O Atlético-MG terminou a nona rodada do Campeonato Brasileiro, que marca a paralisação do calendário para a disputa da Copa América, na quinta colocação com 16 pontos. Foram cinco vitórias, três derrotas e apenas um empate - justamente na quinta-feira, por 1 a 1, contra o São Paulo, em Belo Horizonte -, o que deixou o técnico interino Rodrigo Santana satisfeito por ter cumprido a meta estipulada.

"Eu calculava, no mínimo, 16 pontos de quando começou o Brasileiro até esta pausa", disse o treinador, que agora terá um período de 10 dias de descanso antes da volta aos treinamentos para uma intertemporada na Cidade do Galo, em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte.

No retorno dos jogos oficiais, no dia 10 de julho, o Atlético-MG terá uma sequência de jogos importantes por três competições diferentes - Brasileirão, Copa do Brasil e Copa Sul-Americana. Estão incluídos aí dois clássicos contra o Cruzeiro, pelas quartas de final da competição nacional, e duelos contra o Botafogo, pelas oitavas do torneio continental.

Rodrigo Santana está satisfeito com pontuação do Atlético-MG na parada da Copa do Mundo. (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)
Rodrigo Santana está satisfeito com pontuação do Atlético-MG na parada da Copa do Mundo. (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)
Rodrigo Santana explicou uma cena inusitada na partida contra o São Paulo, no estádio Independência. Aos 48 minutos do segundo tempo, o experiente centroavante Ricardo Oliveira, de 39 anos, saiu do banco de reservas e só jogou pouco mais de dois minutos.

"Primeiro de tudo: se a gente não vai conseguir os três pontos, a gente não pode perder o nosso ponto. No início do jogo, a gente já tem um ponto. A gente optou por deixar bem para o final porque é a última loucura dos últimos minutos, de colocar duas referências (Alerrandro e Ricardo Oliveira)", afirmou o técnico atleticano.

"O Ricardo (Oliveira) é um monstro, tem 39 anos de idade, treina para caramba, tem uma responsabilidade muito grande de liderança dentro do plantel. Eu avisei o Ricardo que sairia com o Alerrandro. Ontem (quarta-feira) mesmo no treino, ele foi o último a sair do campo treinando finalização. Se fosse qualquer outro atleta, poderia ter terminado o treino e ir embora para o chuveiro", completou.