Segundona: América faz homenagem a cartola que revelou destaques do futebol nacional

Aos 88 anos, do ex-diretor das categorias de base, Pedro Favarini, ganhou homenagens no Clube Monte Líbano

por Agência Futebol Interior

São José do Rio Preto, SP, 21 (AFI) - No último sábado, no Clube Monte Líbano, o América fez uma homenagem aos 88 anos do ex-diretor das categorias de base, Pedro Favarini.

O cartola ficou no clube de São José do Rio Preto entre 1971 e 1994, ajudando a revelar quase 120 jogadores, como Mirandinha, Paulo César Donega, Paulo Cezar Catanoce, Silvinho, Márcio Florêncio, Cleomar, Clóvis, Edinan e Cléber Arado.

Entre os presentes, destaque para Márcio Florêncio, Negão, Edinan, Badan, Babá, Cardoso, Lécio, Xande, Gilson Granzoto, Marco Antônio Boiadeiro e Betinho. Ainda houve um duelo entre os dois lados. Clebinho fez para o Monte Líbano, enquanto Ednan deixou tudo igual. Assim, o empate por 1 a 1 foi final.

TRISTE REALIDADE
Ao longo de 73 anos de existência, o América sempre revelou importantes jogadores. A realidade atual, porém, é desanimadora. O trabalho desorganizado, feito sem estrutura e visando o imediato retorno financeiro, fez secar a fonte com parcerias furadas e mal planejadas, deixando o clube rubro mal administrado e cheio de dívidas.

Foto: Aílton Cesar Fernandes
Foto: Aílton Cesar Fernandes

A última grande revelação do futebol nacional que vestiu brevemente a camisa rio-pretense foi o atacante Luan, que está no Grêmio, com multa rescisória estipulada em R$ 46,5 milhões. Apesar da cifra milionária, ele só rendeu R$ 12 mil ao cofre americano, já que chegou emprestado pelo Tanabi e disputou quatro jogos da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2013.

Foto: Aílton Cesar Fernandes
Foto: Aílton Cesar Fernandes

FRUTOS
O América colecionou bons resultados no período: foi vice-campeão paulista Sub-20 de 1977, campeão da Taça SBS de Juniores de 1987, no Japão, vice-campeão da Copa São Paulo de Juniores de 1988 e campeão paulista de Aspirantes de 1992.

“Fiz sete Copinhas com o América em uma época em que não havia convite aos clubes. Participávamos por méritos. Éramos campeões do Interior e o torneio tinha entre 16 e 32 times, sempre com apoio do saudoso presidente Benedito Teixeira", disse Favarini.