Segundona: Atolado em dívidas, América depende de venda de jogadores para se manter

Caso Lucas Lima, Zeca e Luan sejam negociados em definitivo, equipe americana terá uma porcentagem sobre o valor

por Agência Futebol Interior

São José do Rio Preto, SP, 17 (AFI) – Com uma das camisas mais respeitadas do interior de São Paulo, o América vive o pior momento de sua gloriosa história. Fundado em 28 de janeiro de 1946, os rio-pretenses estão disputam pela quarta temporada seguida o Campeonato Paulista da Segunda Divisão. O cenário ainda piora quando se sabe que o clube deve cerca de R$ 8 milhões e depende da venda de jogadores para não fechar as portas.

No início de carreira, Lucas Lima, meia do Palmeiras que já passou por Santos, Inter e Sport, Luan, atacante do Grêmio, e Zeca, lateral do Inter que estava no Santos até o mês passado, vestiram a camisa americana quando tinham menos de 23 anos. Portanto, o Rubro, através do Mecanismos de Solidariedade da Fifa, terá direito a uma parte da venda do trio, caso eles sejam negociados em definitivo.

Segundona: Atolado em dívidas, América depende de venda de jogadores como Lucas Lima para se manter
Segundona: Atolado em dívidas, América depende de venda de jogadores como Lucas Lima para se manter
O percentual varia entre 0,25% (por temporada entre os 12 e 15 anos), e 0,5% (entre os 16 e os 23). Nos casos de Lucas Lima, que ficou em Rio Preto em 2009, quando tinha 19, e Luan, o qual jogou em 2013, quando estava com 20, o América tem direito a 0,5%. Com Zeca, que ficou no Teixeirão dos 13 aos 15 anos entre 2007 e 2009, o Mecão tem 0,75% - o presidente Zé Branco alega que o clube ainda é dono de outros 5% do lateral-esquerdo.

O zagueiro Diego Carlos - que está no Nantes-FRA e passou por Rio Preto entre 2009 e 2010, com 16 anos - e o lateral Juninho Caiçara - que jogou no clube em 2010, com 21 anos - são outros que podem render um lucro significativo.

CAMISA PESADA NO INTERIOR DE SÃO PAULO
O primeiro título de expressão americano foi o Campeonato Paulista da Segunda Divisão de 1957 – o equivalente ao Campeonato Paulista da Série A2 dos dias atuais. À época, somente o vencedor da divisão garantia o acesso, que fora instituído em 1948, quando o XV de Piracicaba foi campeão. Ao todo, são 44 participações na elite Estadual.

Em 1978, o clube participou do Brasileirão e fez campanha bastante honrosa, tendo avançado à segunda fase. O campeão seria o Guarani, única equipe do interior a conquistar tal taça. Ainda disputou a elite em 1980 após boa participação na Série B daquele ano.

Segundona: Atolado em dívidas, América depende de venda de jogadores como Luan para se manter
Segundona: Atolado em dívidas, América depende de venda de jogadores como Luan para se manter
Nos anos seguintes, o Mecão seguiu disputando o Nacional: em 1981, 1985, 1989, 1994 e 1995, esteve na Série B; em 1990, 1997, 1998, 1999, 2004, 2005 e 2006, na Série C; em 1993, da Seletiva para a Série B. A decadência da equipe começou em 2007, quando caiu da A1 para a A2 do Paulista.

Foram cinco anos no segundo escalão estadual, os quais chegaram ao fim em 2012, com novo descenso. No Paulista A3, a equipe rubra ficou apenas até 2014, chegou ao fundo do poço, de onde ainda não saiu.