Adilson Batista fala sobre objetivos do América-MG: "Temos que pontuar"

Na próxima rodada, o Coelho faz contra o Atlético-PR um duelo direto contra o rebaixamento

por Agência Futebol Interior

Belo Horizonte, MG, 03 (AFI) - Há quatro jogos sem vencer, o técnico Adilson Batista conversou muito com o elenco do América Mineiro nesta quarta-feira. O treinador falou da importância de somar pontos nesta reta final de Campeonato Brasileiro a fim de conquistar o principal objetivo para a temporada: a permanência na Série A.

Adilson Batista, no entanto, deixou claro que a vitória é essencial diante do Atlético Paranaense, adversário direto na briga contra a queda. O Coelho tem 32 pontos na tabela de classificação, contra 29 do Vitória.

Confira os principais pontos da coletiva de Adilson Batista:

Jogo contra o Atlético-PR

Será um jogo duro, difícil. Um adversário forte em sua casa, mas estamos nos preparando para enfrentar este desafio com bastante concentração. O objetivo é ir lá e tentar vencê-los.

Dificuldades do confronto

Certamente será um jogo duro, pois tenho acompanhado e visto eles crescendo muito desde a chegada do Tiago. Estão fazendo bons jogos, estão mais intensos, com um jogo mais rápido em função do próprio gramado. Temos de ter cuidado com esta aceleração e precisamos caprichar, principalmente, nos passes. A bola parada deles é muito forte, portanto é necessário ter total atenção. É nesse sentido que estamos trabalhando.

Montagem do time

É um primeiro trabalho. Dentro do próprio jogo-treino, que fizemos contra os juniores na terça-feira, os que participaram fizeram um bom treino. Então, ainda não defini.

Somar pontos contra adversários diretos

Acho importante somar pontos. Mas não é a história de, se não der para ganhar, empatar. Temos de observar o jogo, o comportamento das equipes, as dificuldades da partida. Em alguns pontos, acho que poderíamos ter tido uma sorte melhor. Em outros, acredito que temos de valorizar a pontuação. Sinto que deixamos de pontuar em alguns jogos, em que fomos melhores e poderíamos estar mais tranquilos. Contudo, buscaremos somar o maior número de pontos a partir de agora para conquistarmos os objetivos.

Adilson Batista conversou muito com os jogadores nesta quarta-feira
Adilson Batista conversou muito com os jogadores nesta quarta-feira
Coragem dentro de campo

Sempre passamos palavras de coragem, confiança. Precisamos entender o jogo. Não é questão de ter quatro atacantes ou três atacantes. Temos de ser equilibrados. Se observarmos, tínhamos um atacante e uma linha de três ofensiva, mas ficamos na roda contra o Corinthians. No primeiro tempo, marcamos mal, assistimos e, só depois, invertemos, neutralizamos e marcamos.

Então, é preciso analisar muito o contexto do adversário. Sempre trabalho o equilíbrio, ter gente para chegar, dar liberdade para chegar. Foi o que falamos no jogo contra o São Paulo, em que tínhamos um pouco mais de jogadores para marcar, porém demos mais liberdade para os laterais. O Carlinhos fez a jogada do gol. Isso que temos de entender. Vejo futebol assim.

Mudança de postura dos jogos em casa para fora de casa

Cada jogo tem sua história, seu comportamento, sua necessidade. Às vezes, há um confronto direto, uma partida que vale briga por título. Desde que cheguei aqui, nesses 13 jogos que fiz, em alguns não fomos bem. Contra o Ceará, por exemplo, penso que foi a sequência e o desgaste de determinados jogadores que acabaram influenciando. Os outros jogos foram mais controlados. Na Vila Belmiro, onde foi meu segundo jogo, o Santos nos pressionou, mas tiveram poucas chances reais. Portanto, é um processo quando o time está em uma situação difícil e aí temos de controlar algumas coisas, melhorar outras. Creio que tivemos uma crescente muito boa.

Mudanças e testes na equipe

Não é que me sinto confortável. Faz parte da profissão lidar com isso, tentar criar alternativas dentro daquilo que conheço do dia a dia. Porém, o ideal seria manter um padrão de organização e escalação. São as situações que temos vivenciado.

 
 
" />