Copa Paulista: Técnico do Água Santa é mais uma vítima de golpe de estelionato

Os criminosos, que envolveram o treinador Fernando Marchiori, vinham usando o DDD 77, prefixo da Bahia

por Agência Futebol Interior

Diadema, SP, 23 (AFI) - Os técnicos do futebol nacional seguem sendo vítimas de estelionatários. O mais novo caso descoberto envolve Fernando Marchiori, que está dirigindo o Água Santa na Copa Paulista. O Netuno inclusive já trabalha para tomar todas as medidas judiciais cabíveis para identificar os criminosos.

Os farsantes estavam usando o nome do treinador para oferecer oportunidades para atletas, solicitando pagamentos de taxas que seriam para cobrir o valor da transferência. Eles vinham usando o DDD 77, prefixo da Bahia. Essa não é a primeira vez que o técnico passa por esse aborrecimento, já que aconteceu o mesmo quando ele estava no Santo André.

Técnico do Água Santa é mais uma vítima de golpe de estelionato
Técnico do Água Santa é mais uma vítima de golpe de estelionato
NOTA OFICIAL DO ÁGUA SANTA
O Esporte Clube Água Santa vem a público manifestar-se sobre informações falsas que têm sido vinculadas à instituição e esclarecer para atletas(de qualquer categoria), pais ou responsáveis que o pagamento a qualquer pessoa que prometa a contratação de atletas e/ou avaliação de atletas por parte do Água Santa NÃO deve ser feito sob hipótese alguma.

Por meio desta, gostaríamos de alertar que nos últimos meses, um indivíduo, vem se intitulando como treinador do Água Santa, Fernando Marchiori, pelo aplicativo de mensagem “Whatsapp”, cadastrado com o número de celular: (77) 8866-5161, para aplicar golpe em meninos que sonham em se tornar jogador profissional.

Além de NÃO APROVARMOS este procedimento, que se constituiu como crime de estelionato, salientamos a todos que não cobramos quaisquer valor em peneiras, avaliações, contratações ou transferência entre federações.

Diante disto, informamos que o departamento jurídico do clube continua trabalhando para identificar os criminosos e, a partir daí, tomar as medidas judiciais cabíveis.

PROBLEMA RECORRENTE
O problema tem sido rotineiro no mundo da bola. Este ano, Roberval Davino, do Comercial, e Fábio Gomes, que estava dirigindo o Taubaté, foram envolvido em casos. Tuca Guimarães também passou pelo problema, quando estava no Noroeste.

Outra vítima foi Júlio Sérgio, no Linense; Marcelo Martelotte, ano passado, também no Taubaté, e Thiago Oliveira, então no Batatais. Em comum entre esses casos, o fato de o DDD do golpista ser da Bahia.