Federação Acreana e clubes querem reinício do Estadual no final de julho

O objetivo da conversa será chegar a um entendimento para a liberação dos treinos físicos

por Manoel Façanha

Rio Branco, AC, 02 (AFI) - Com a prorrogação do decreto municipal de emergência em saúde publicado na manhã desta quarta-feira (01) pela prefeita de Rio Branco, Socorro Neri (PSB), a retomada do futebol acreano terá que aguardar um pouco mais para o seu retorno.

Na reunião do arbitral de clubes, ocorrido na tarde desta quarta-feira (1º), na sede da Federação de Futebol do Acre (FFAC), os dirigentes, mesmo sabendo da prorrogação do decreto, resolveram tratar do encaminhamento da retomada das atividades. Ficou acordado o agendamento de um encontro entre os dirigentes de clube e a prefeita Socorro Neri.

Federação Acreana e clubes querem reinício do Estadual no final de julho
Federação Acreana e clubes querem reinício do Estadual no final de julho
O objetivo da conversa será chegar a um entendimento para a liberação dos treinos físicos e, posteriormente, dos confrontos da competição, mas tudo isso respeitando um protocolo seguro de saúde pública no sentido de evitar contaminações dos atletas, membros das comissões técnicas, dirigentes e demais envolvidos.

A ideia dos cartolas será retomar o torneio na última semana do mês de julho.

AJUDA DE CUSTO
Com os clubes reclamando de grandes dificuldades de caixa para o cumprimento do protocolo sanitário proposto pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) nesta retomada das atividades, a própria entidade futebolística nacional ficou sensibilizada e irá criar um fundo especifico de ajuda aos clubes para o cumprimento do protocolo.

TIRO CURTO
Também foi discutido pelos dirigentes o aceleramento da tabela de jogos do returno. A ideia é realizar três rodadas duplas por semana, não descartando ainda à possibilidade da existência de rodadas triplas no Florestão.

No encontro da tarde desta quarta-feira (1) chegou a ser apresentada uma tabela de jogos do returno, com início programado para o dia 16 de julho, mas foi abortado com a prorrogação do decreto municipal de distanciamento social.