Reta final de Estadual pode ser realizada no Interior. Entenda!

Campeonato Acreano foi interrompido após o primeiro turno, vencido pelo Galvez em decisão sobre o Atlético Acreano

por Futebol do Norte

Rio Branco, AC, 09 - O presidente da Federação de Futebol do Acre (FFAC), Antonio Aquino, já está buscando um plano B caso os jogos do Campeonato Acreano não sejam liberados para a Capital, Rio Branco. A alternativa pode ser Plácido de Castro. As cidades ficam a quase 100km de distância. A entrevista foi concedida ao Blog do Chico Pontes.

"Nós mantivemos um contato com comissão da saúde da prefeitura, através do Dr. Renato (presidente do Plácido de Castro), e encaminhamos o protocolo da CBF para que eles analisem e nos façam um convite ou uma reunião para que nós possamos apresentar as condições para a prática do futebol. Estamos aguardando até agora isso não aconteceu e vamos esperar um pouco mais senão vamos ter que partir para a alternativa B de jogar em Plácido de Castro, que lá já está liberado", frisou.

Antonio Aquino revelou que aguarda ainda o convite da prefeita de Rio Branco, Socorro Neri (PSB), sobre a realização da reta final do Campeonato Acreano.

"Nós estamos no aguardo que ela nos faça o convite que nós mantivemos contato com uma comissão da saúde da prefeitura e ficaram de nos dar retorno através do Dr. Renato que também participa do protocolo e estamos aguardando", acrescentou.

"O problema está no poder público o tal do protocolo que eles criaram para a sociedade está complicando. Nós entendemos que estão sendo prejudicados diretamente 400 pessoas que dependem do salário que os clubes colocam para eles", ressaltou.

Foto: Manoel Façanha
Foto: Manoel Façanha
O dirigente ainda pontuou que o Campeonato Acreano gera centenas de empregos diretos.

"Em média 400 pessoas estão sendo prejudicadas a quatro meses. Isso é muito sério porque estamos esticando essa corda. O futebol já é feito pelo o sacrifício de seus dirigentes e precisamos entender que as autoridades públicas também tem que ter bom senso. Existe um protocolo que a CBF distribuiu e que todo mundo vai seguir a risca. Então não vejo nenhum problema de maior gravidade", disse.

Caso Plácido de Castro seja escolhida, o dirigente da FFAC revelou que algumas adaptações precisarão ser feitas.

"Nós teríamos que estudar como seriam os jogos lá em Plácido. Nós vamos criar uma estrutura se isso vier a ocorrer, a logística para que nós possamos dar andamento no campeonato", esclareceu.