Conmebol recebe lote de 50 mil doses de vacinas contra a covid: 'Valiosa cooperação'

Presidente da entidade, Alejandro Domínguez, comemorou com uma postagem nas redes sociais

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 29 - O presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, confirmou nesta quarta-feira que as 50 mil doses de vacinas contra a covid-19 doadas do laboratório chinês Sinovac foram recebidas pela entidade. O lote chegou em Montevidéu, no Uruguai, e depois será distribuído para os países da América do Sul.

"As vacinas para o futebol sul-americano já chegaram na América do Sul. A Conmebol se tornará a primeira organização civil do mundo a realizar uma vacinação que beneficiará milhares de famílias nos 10 países e representará uma valiosa cooperação com as campanhas de imunização promovidas pelos governos", postou o dirigente nas redes sociais, com uma foto sua ao lado da taça da Copa América e na carga das vacinas.

O presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, postou foto ao lado do lote com o troféu da Copa América (Foto: Reprodução/Twitter/Conmebol)
O presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, postou foto ao lado do lote com o troféu da Copa América (Foto: Reprodução/Twitter/Conmebol)
"A vacinação é um grande avanço em direção ao que todos almejamos: a volta plena do futebol, com sua explosão de cor, alegria e paixão, no campo e nas arquibancadas", escreveu o dirigente. "A Conmebol está trabalhando incansavelmente e nos orgulhamos dos grandes passos que demos até agora", acrescentou.

As vacinas serão aplicadas nas seleções que disputarão a Copa América e nas equipes que participam de torneios internacionais da Conmebol, como Libertadores e Sul-Americana. A entidade também pretende imunizar times masculinos e femininos da primeira divisão dos dez países filiados, assim como árbitros e todos os envolvidos na organização dos eventos.

PRECISA DO AVAL DA ANVISA
No Brasil, a CBF precisa de uma autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para receber as doses. Seguindo a Lei nº 14.125/2021, que autoriza a importação de vacinas contra o novo coronavírus em território nacional, os imunizantes terão de ser repassados primeiramente ao SUS, para que sejam incorporados ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).