Deyverson comenta sobre origem humilde: "vendia água e fruta na praia"

Atacante está no Alavés, da Espanha, emprestado pelo Palmeiras, e falou sobre a temporada no futebol do páis

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 18 - O atacante Deyverson, atualmente no Alavés, emprestado pelo Palmeiras, concedeu entrevista ao programa LaLiga World e comentou sobre o início da temporada na Espanha e, principalmente, suas origens - revelando que precisou até trabalhar na praia, vendendo água e frutas para sobreviver.

Campeão brasileiro com o Palmeiras em 2018, Deyverson - assim como muitos no futebol - lutou bastante para conquistar o sucesso no esporte da bola nos pés.

"Eu não tinha nada, trabalhava na praia vendendo água, refrigerante, petiscos... e eu não acreditava que teria forças para mudar aquela situação. Mas consegui tirar forças e passei a crer que se trabalhasse duro eu poderia transformar tudo isso. E foi a junção disso que me fez o jogador que sou hoje, um batalhador que sempre se lembra de quão difícil era na época em que não tinha nada. E eu consigo usar isso para seguir lutando", disse o atual camisa 14 do Alavés.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Deyvinho começou a jogar profissionalmente no Grêmio Mangaratibense, que à época disputava a Série C do Campeonato Carioca. Depois, passou por um período de testes no Benfica B, até que em 2013 foi contratado pelo Belenenses, também de Portugal. Depois de sofrer com lesões e passar por um intenso tratamento, chegou ao Colônia, da Alemanha, por empréstimo de seis meses. Em 2015, assinou com o Levante UD por quatro temporadas.

VERDÃO

De lá, foi para o Deportivo Alavés, onde chamou a atenção do Palmeiras - principalmente após ter marcado gols sobre ninguém menos que a dupla Real Madrid e Barcelona (esse último em pleno Camp Nou), terminando o ano com o vice da Copa do Rei.

No Verdão, após alguns altos e baixos, foi fundamental para a conquista do Campeonato Brasileiro de 2018. Mas após algumas polêmicas, no início de 2020 foi emprestado novamente ao futebol espanhol, agora para defender as cores do Getafe CF. Permanecendo apenas até o meio deste ano, quando retornou ao Alavés.

"Primeiro, meu agente me ligou e disse ‘Dey, tenho uma proposta do Alavés, o que você acha?’, e eu disse que tudo bem, eu já havia jogado no clube na temporada 2016/2017. Gostava muito daqui, conhecia bastante gente e tenho um grande carinho pelo Alavés. Até por isso, nem precisei pensar muito. Eu já havia sido feliz aqui, então poderia muito bem ser de novo", acrescentou o atacante - que ainda busca marcar seu primeiro gol nesta volta ao clube basco. Na primeira passagem, foram nada menos que sete bolas na rede dos adversários.

O começo, no entanto, não foi dos melhores: derrota, em casa, para o Real Betis por 1-0. "No início, pensava que a equipe não estava conseguindo jogar tudo que podia. Precisávamos trabalhar mais. E logo no segundo jogo, as coisas começaram a melhorar. Ainda assim, muitos não acreditavam na gente... até que o Barça nos visitou. Depois desse empate, o progresso ficou evidente. Espero que possamos dar continuidade a isso. Se conseguirmos, tenho certeza de que faremos uma grande temporada e conquistaremos algo", disse.

COMPROMISSO

O Alavés não vence há três rodadas no Campeonato Espanhol e seu próximo compromisso é diante do Valencia CF, em duelo válido pela décima rodada, no final da tarde deste domingo, às 17h (de Brasília), em Mendizorroza. Atualmente, o clube do País Basco ocupa a 15ª colocação, a três pontos da zona de rebaixamento.