Vai um azarão aí? As 12 maiores zebras na história do futebol mundial

Lista tem Camarões na Copa do Mundo de 1990 e um ano de 2004 atípico no futebol

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 27 - Todo mundo ama um azarão. Quer dizer, quase todo mundo, porque, em geral, no futebol mundial, a maioria dos torcedores são leais aos grandes clubes. Encontrar um fã do Wigan Athletic ou do Queens Park Rangers fora da Inglaterra, ou um fã do Espanyol fora da Espanha, ou ainda um fã do Juventus fora de São Paulo (ou especificamente, da Mooca) é como encontrar o monstro do Lago Ness.

Na real, todo mundo adora um vencedor. E, de vez em quando, um azarão desafia as probabilidades e as expectativas para fazer uma campanha incrível ou mesmo conquistar um título importante. Assim, temos as chamadas zebras e, contamos 12 delas abaixo.

Sunderland vence a FA Cup de 1973

O Sunderland tinha todo o direito de ser um grande azarão na final da Copa da Inglaterra de 1973. Os Black Cats precisaram de jogos de volta contra o Notts County, Reading e Manchester City apenas para chegar às quartas de final. A equipe, que ainda estava na Segunda Divisão, conseguiu derrotar o Luton Town e o Arsenal para avançar para a final contra o Leeds United.

O Leeds era o atual campeão da FA Cup e terminou em segundo na Primeira Divisão na temporada anterior. Mas um gol de Ian Porterfield aos 31 minutos foi suficiente, juntamente com uma boa atuação do goleiro Jimmy Montgomery, para dar a Sunderland a taça com uma vitória por 1 x 0.

O time venceu a partida sem a ajuda de jogadores internacionais na época. Apenas dois outros clubes da divisão inferior venceram a FA Cup desde o Sunderland. Até hoje, a FA Cup de 1973 é a última grande vitória do clube no troféu.

A marcha dos Saints na FA Cup em 1976

Em 1976, o Manchester United não era tão grande como o período em que Sir Alex Ferguson era o técnico. De fato, os Red Devils haviam se recuperado recentemente de serem rebaixados para a Segunda Divisão em 1974.

A equipe de Tommy Docherty voltou em 1975 e ainda era a favorita contra o Southampton, já que o United estava em terceiro lugar na Primeira Divisão. O Southampton nunca venceu uma grande competição e terminaria em sexto na Segunda Divisão em 1976.

O Manchester United teve pressionou o Saints durante a maior parte da partida, forçando Ian Turner a fazer várias defesas.

Mas Bobby Stokes venceu a zaga dos Red Devils aos 83 minutos, dando aos Saints o único gol da partida. Ainda é o único grande troféu que o Southampton ganhou em sua história.

Leões indomáveis alcançam quartas de final da Copa do Mundo 1990

O jogo de abertura da Copa do Mundo em 1990 deveria ser uma vitrine e um aquecimento fácil para a atual campeã Argentina. Mas, as estrelas do jogo e do torneio foram os adversários da Argentina, Camarões.

Fazendo apenas sua segunda participação em uma Copa, a equipe contou com um erro do goleiro argentino Nery Pumpido que deu o resultado final à partida.

Não satisfeito com apenas uma vitória, Camarões venceria seu grupo, derrotando a Romênia antes de perder contra a União Soviética.

Nas oitavas-de-final, os Leões Indomáveis derrotaram a Colômbia por 2 a 1 na prorrogação e jogariam na próxima fase contra a Inglaterra.

Camarões liderou por 2-1 até os 20 minutos do segundo tempo com um gol de Eugene Ekeke, mas a Inglaterra converteu dois pênaltis.

O primeiro empatou a partida aos 38 minutos. O segundo deu à Inglaterra a liderança na prorrogação e a vitória por 3-2.

Senegal choca o mundo na Copa de 2002

Doze anos depois que Camarões derrotou a atual campeã Argentina no jogo de abertura da Copa do Mundo de 1990, o Senegal seguiu o mesmo caminho para a glória. Desta vez, a França foi a campeã derrotada.

Senegal estava fazendo sua primeira aparição na Copa do Mundo e Papa Malick Diop marcou aos 30 minutos, e a equipe venceu por 1 a 0.

O Senegal empataria seus outros dois jogos na fase de grupos com a Dinamarca e o Uruguai para avançar para as oitavas-de-final. Henri Camera foi a estrela que manteve o sonho vivo, marcando os dois gols na vitória sobre a Suécia.

A corrida chegaria ao fim nas quartas de final, já que o Senegal não conseguiu passar da Turquia, outro time surpreendente em uma Copa do Mundo cheia deles.

Bulgária chega à semifinal da Copa do Mundo de 1994

Antes de 1994, a Bulgária nunca havia vencido uma partida em nenhuma de suas participações na Copa do Mundo. Isso mudou quando a equipe derrotou a Grécia e a
Argentina na fase de grupos para avançar para as oitavas.

E a equipe búlgara estava apenas começando. Liderados pelo artilheiro do torneio, Hristo Stoichkov, derrotaram o México em uma disputa de pênaltis e tiraram a Alemanha, campeã mundial, para avançar para as semifinais.

A campanha parou aí, já que a Bulgária não conseguiu conter Roberto Baggio e a Itália nas semifinais, perdendo a partida por 2-1.

Club Tijuana vence a Liga MX Apertura em 2012

Essa história de zebra conta com outros animais. Fundado em 2007, o Xoloitzcuintlis, ou Xolos do Club Tijuana, é um dos clubes de futebol mais jovens do mundo.

O Xolo é um cão nativo mexicano sem pêlos e um dos mascotes mais difíceis de soletrar e pronunciar do mundo. A equipe levou três anos para ganhar promoção para a Liga MX, vencendo o Apertura da segunda divisão em 2010.

No México, como várias ligas sul-americanas, há dois campeões a cada temporada, o Apertura (outono) e Clausura (primavera). O primeiro torneio viu os Xolos em 15º lugar e os colocou próximo do rebaixamento. Tijuana chegaria em sétimo no Clausura, solidificando seu lugar e ganhando uma vaga nos playoffs pela primeira vez.

Apenas no terceiro torneio e no segundo ano de existência do clube na primeira divisão, o Tijuana conquistaria o título do Apertura de 2012, derrotando o Toluca por 4-1 em uma final agregada, completando uma subida meteórica ao topo da tabela do futebol mexicano.

Verona leva a Série A em 1985

O ano de 1985 provou que existem outros clubes de futebol na Itália além da Juventus, Milan, Inter e Roma. O Hellas Verona terminou em sexto na Série A em 1984, e nada era esperado deles na temporada seguinte.

No entanto, o Verona conseguiu passar a temporada inteira perdendo apenas duas vezes no caminho para vencer a Serie A por quatro pontos sobre o Torino.

Alguns dirão que as chegadas de Hans-Peter Briegel e Preben Elkjaer foram suficientes para dar a Verona o seu primeiro título da Série A. Outros cínicos dirão que foi o método de escolher os árbitros que ajudou o Verona.

A temporada 1984-1985 foi a única temporada em que os árbitros foram designados por sorteio às cegas devido a vários escândalos de apostas. De qualquer forma, foi o único momento de glória no primeiro escalão de um clube que não está na Série A desde 2002.

Odisseia grega na Euro 2004

O ano de 2004 deveria ser o ano de Portugal. O país era o anfitrião da Euro, e a "Geração de Ouro", com Luís Figo, Deco, Pauleta, Rui Costa e um jovem Cristiano Ronaldo, contavam com a glória. Mas, alguém esqueceu de combinar isso com os gregos.

A Grécia venceu Portugal duas vezes no torneio. A primeira vitória foi um 2-1 na fase inicial. Mas, Portugal acabaria vencendo o grupo, já que a Grécia empataria com a Espanha e perderia para a Rússia, porém os quatro pontos foram suficientes para levar a Grécia às quartas-de-final.

Nas partidas eliminatórias, a Grécia derrotaria a França e a República Tcheca por 1 a 0 dando a chance da revanche para Portugal, que certamente venceria a partida, não é? Não.

A Grécia se segurou novamente contra seus oponentes mais talentosos e conquistou o título no gol de Angelo Christeas, aos 12 minutos da segunda etapa.

Dinamarca vence a Euro 1992 após ser eliminada

A frase parece estranha, mas foi exatamente isso que aconteceu. A Dinamarca só se classificou para a Euro 1992 após a Iugoslávia ter sido banida do torneio devido a uma resolução do Conselho de Segurança da ONU. Como resultado, a vaga do antigo país foi dada aos segundos classificados do seu grupo de qualificação.

Os dinamarqueses só descobriram que participariam da Euro 11 dias antes do início do torneio.
A equipe terminou em segundo lugar de seu grupo, e venceria a semifinal contra a Holanda.
Na decisão, a Dinamarca atrapalharia a recém-unificada e campeã da Copa do Mundo de 1990, Alemanha, vencendo por 2 a 0, garantindo a primeira grande competição internacional da história do país.

Once Caldas vence a Copa Libertadores em 2004

Já falamos de 2004 antes. Este foi realmente um ano estranho e temos mais uma história para provar. Os times colombianos não tinham muita sorte na Copa Libertadores. Somente o Atlético Nacional, em 1989, com um time financiado por Pablo Escobar, havia vencido a competição.

Mas, quando Once Caldas chegou à final da Copa em 2004, após vencer o São Paulo e o Santos, a escrita mudou. Eles enfrentariam o Boca Juniors, um dos gigantes do futebol sul-americano, que já havia vencido a competição quatro vezes.

As duas pernas da final de duas pernas terminaram empatadas. A primeira sem gols, a segunda 1-1. Após 180 minutos, o campeonato seria determinado nos pênaltis.

Surpreendentemente, era o Boca Juniors que parecia o azarão. O time argentino perderia todos os quatro pênaltis para dar ao Once Caldas a vitória mais famosa da história do clube.

Nottingham Forest vence a primeira divisão em 1978

Imagine o Norwich City ou o Sheffield United vencendo a Premier League nesta temporada. A ideia de que uma equipe tenha acabado de se promover para a primeira divisão do futebol inglês vencendo a divisão na próxima temporada parece ridícula, mas foi exatamente isso que Nottingham Forest realizou em 1978.

Sob a administração de Brian Clough em 1977, o Forest quase não subiu ao terminar em terceiro a Segunda Divisão. Liderado por jogadores como Martin O'Neill, Peter Shilton, Garry Birtles, Kenny Burns e John McGovern, o time conquistaria a liga com sete pontos de vantagem sobre o segundo colocado Liverpool.

Mostrando isso não era acaso, a equipe de Clough também venceu a Copa da Liga naquela temporada, antes de ser bicampeão europeu.

Coréia do Norte e a maior zebra da história das Copas

A Copa do Mundo de 1966 é lembrada pela campanha da Inglaterra, campeã mundial pela primeira e, até agora, única vez. Foi durante o mesmo torneio que um dos mais chocantes resultados da história internacional do futebol foi registrado, quando a Coréia do Norte enfrentou a Itália.

Colocados no grupo 4, a Coréia era o elo fraco em uma chave que ainda tinha o Chile e a URSS. Tudo parecia nos conformes quando a União Soviética venceu os coreanos por 3 a 0. Já a partida contra o Chile, no entanto, acabou empatada, garantindo um ponto para a equipe coreana.

Já a Itália venceu o Chile por 2 a 0 no primeiro jogo e foi derrotada por 1 a 0 pela URSS. O resultado significava que, se os norte-coreanos conseguissem uma vitória sobre os italianos, iriam as quartas-de-final.

No dia 19 de julho, às 19h30, as equipes iniciaram um jogo que seria lembrado por todos. Logo no começo, a Itália perdeu uma de suas estrelas, Giacomo Bulgarelli, do Bologna, saiu do campo devido a uma lesão no joelho.

Em um tempo antes das substituições serem permitidas, isso significava que os azzurri seriam forçados a jogar com 10 homens. Pouco antes do intervalo, a surpresa se concretizou. Pak Doo-ik chutou rasteiro e bola passou por Enrico Albertosi. O placar se manteve e os coreanos avançaram na Copa.

Os asiáticos quase fizeram ainda mais história. Com 25 minutos das quartas-de-final contra Portugal, eles ganhavam de 3 a 0 e pareciam prontos para continuar sua notável campanha. Então o lendário Eusébio apareceu. O Pantera Negra terminou o dia com quatro gols, levando seu país a uma vitória por 5-3, o que não tirou o brilho dos norte-coreanos no torneio.