Acusada de fraude, Fifa divulga documento para comprovar voto de jogador em Messi

Capitão da Nicarágua, Juan Barrera disse que não participou da votação de melhor do mundo

por Agência Estado

São Paulo, SP, 25 - Uma publicação no Twitter do capitão da Nicarágua, Juan Barrera, colocou em xeque o sistema de votação do "The Best", prêmio da Fifa para o melhor jogador do mundo, entregue na última segunda-feira, em Milão. O atleta alegou não ter participado em nenhum momento do processo que teve Messi como vencedor pela sexta vez.

Procurada pelo Estado para se posicionar sobre o assunto, a entidade divulgou documento que comprova o voto do nicaraguense no argentino na primeira posição, seguido de Sadio Mané e Cristiano Ronaldo, para os melhores da temporada 2019/2020 do futebol mundial. A Fifa solicitou investigação do caso à Federação Nicaraguense de Futebol.

O formulário de votação, datado de 19 de agosto de 2019, apresenta assinatura de Juan Barrera e carimbo da Federação Nicaraguense de Futebol. Nele estão presentes as três escolhas do capitão dentre os dez finalistas do prêmio de melhor jogador do mundo.

Juan Barrera, capitão da Nicarágua, disse que não participou da votação realizada pela Fifa
Juan Barrera, capitão da Nicarágua, disse que não participou da votação realizada pela Fifa
Na votação dos melhores treinadores, o meia optou por Jürgen Klopp (Liverpool), Marcelo Gallardo (River Plate) e Pep Guardiola (Manchester City).

A VOTAÇÃO
A acusação de fraude aconteceu na última terça-feira, um dia após a Fifa divulgar a planilha oficial com os votos de todos os capitães, treinadores e jornalistas que fazem parte do colégio eleitoral do "The Best".

Cada voto como melhor do mundo conta cinco pontos; em segundo melhor, três; e em terceiro, um. Messi foi o vencedor ao somar 46 pontos, oito a mais do que Virgil Van Dijk e dez à frente de Cristiano Ronaldo. Vale lembrar que a votação popular no site da Fifa também é levada em conta.

MANTEVE A ACUSAÇÃO
Nesta quarta-feira, Juan Barrera reforçou a acusação em nota no site oficial do Real Estelí, clube nicaraguense no qual atua.

Segundo o comunicado, o jogador demonstrou preocupação por ter seu nome ligado a "um fato no qual não teve nenhuma participação". Em entrevista ao jornal La Prensa, ele disse ainda que votou em Messi, mas na eleição do ano passado, quando o argentino foi superado pelo croata Modric.