Após acordo, membro do Conselho da Fifa é suspenso por revender ingressos da Copa

A punição, considerada leve, se deve a um acordo de "plea bargain" realizado entre as partes

por Agência Estado

São Paulo, SP, 07 - A Fifa anunciou nesta quinta-feira a suspensão de Lee Harmon, presidente da Federação de Futebol das Ilhas Cook. Membro integrante do Conselho da Fifa, que reúne a cúpula do futebol mundial, o dirigente ficará afastado do futebol por apenas três meses após quebrar regras relacionadas à venda de ingressos.

Sem revelar maiores detalhes sobre as infrações cometidas por Harmon, a Fifa informou apenas que Harmon quebrou regras relativas à revenda dos bilhetes na Copa do Mundo da Rússia, no ano passado. O caso vinha sendo investigado desde julho, logo após o fim da competição.

A punição, considerada leve, se deve a um acordo de "plea bargain" realizado entre as partes. Pelo acerto, comum na Justiça dos Estados Unidos, por exemplo, Harmon admitiu a culpa por ter quebrado as regras e, por isso, teve uma sanção reduzida. O acordo não envolve delação premiada.

Apesar do acerto entre acusação e acusado, ele terá que cumprir suspensão de três meses e ainda desembolsará 20 mil francos suíços (cerca de R$ 75 mil) como multa. Assim, terá que se afastar da presidência da Federação das Ilhas Cook, cargo que ocupava desde 1997, e também do Conselho da Fifa, do qual era membro desde 2016.

O Conselho foi criado pelo presidente Gianni Infantino para substituir o Comitê Executivo, manchado pelas denúncias de corrupção que levaram diversos dirigentes à prisão nos últimos anos. O objetivo de Infantino era mudar o nome e aumentar a representatividade ao criar o Conselho, que agora já sofre com um caso de irregularidade.